Uma breve história da peruca

Esta postagem é apenas curiosidade e complemento da postagem anterior “JESUS tinha cabelos compridos?”

 

Embora haja relatos sobre o uso de perucas pelos antigos egípcios e romanos, as perucas passaram a ser usadas pelas pessoas em grande escala no Século XVI, quando as noções de higiene na Europa ainda eram precárias e doenças e seus transmissores reinavam por lá. Graves epidemias se espalhavam pelo continente e uma multidão de pacientes com sífilis lotavam os hospitais de Londres com as suas feridas abertas, erupções cutâneas, perda de cabelo e até cegueira e demência. Como se não bastasse, piolhos eram comuns nos animais e nas pessoas, levando a vítima a rapar a cabeça. Não é difícil de deduzir, então, que a presença de quaisquer destes sinais era motivo de constrangimento que poderia manchar a reputação do indivíduo, mesmo sendo são. Por outro lado, cabelo comprido era símbolo de nobreza.

 

As perucas eram peças imundas onde proliferavam inúmeros microrganismos causadores de doenças.

 

Luis XIV

Rei Luis XIV da França

Tudo isto mudou quando o rei da França, Luis XIV (1638-1715), também passou a usá-la para esconder a sua calvície. Logo, a nobreza francesa adotou este costume, tornando-se símbolo da aristocracia. A peruca passou a indicar as diferenças sociais entre as classes, tornando-se sinal de status e prestígio. As perucas eram feitas de crina de cavalos, pelos de cabras, ou mesmo de cabelos humanos; eram cobertas de talco, talvez para os usuários se aparentarem mais sábios e sérios, como diz em Provérbios:

 

“Coroa de honra são as cãs […]” (Pv 16:31)

Embora muitas pessoas ignorassem o que diz a seguir, no mesmo Versículo:

 

“[…] quando se acham no caminho da justiça.” (Pv 16:31)

 

A moda criada pelo rei Luis XIV foi derrubada durante a Revolução Francesa (1789-1799), quando a população enfurecida com os seus governantes, depuseram e decapitaram Luis XVI e mais tarde a sua esposa, rainha Maria Antonieta.

IMG_1757

Fábrica de perucas em Williamsburg, Século XVIII

 

Paralelamente, na Inglaterra, em 1795, o primeiro-ministro Willian Pitt decretou a cobrança de imposto sobre o pó usado nas perucas. Desde então, a população foi deixando aos poucos o costume de usar perucas, e o uso de cabelo curto voltou a ser comum no mundo da moda.

 

IMG_1564

Williamsburg – VA

Como se nota, a história da peruca remonta da época do renascentismo e iluminismo, quando cabelos ou perucas longas eram valorizadas. Naquela época, artistas como Leonardo da Vinci, Michelangelo, Botticelli, entre outros, segundo a própria imaginação e costumes da época, pintaram cenas bíblicas em paredes e tetos de catedrais católicas da Europa, e espalharam esculturas representando homens da Bíblia; deturpando, assim, a realidade. Desde então, o mundo passou a pensar que o nosso Senhor tinha cabelos compridos.

 

O uso de perucas ainda é obrigatório aos magistrados nos tribunais da Inglaterra, somente em casos criminais; em outros casos foi abolido recentemente. Veja: