Somos protestantes?

As pessoas indagam se somos católicos ou protestantes, – uma ou outra, como se não houvesse outra opção. A igreja do Espírito Santo de Jesus não é protestante nem católica.

 

A reforma protestante, como é sabido, foi iniciada por Martinho Lutero (Martin Luther, em alemão), um ex-monge católico inconformado com o ensinamento que não tem essência cristã, e sim influência de doutrinas pagãs da antiga Roma.

 

A igreja dos Papas corresponde à igreja em Tiatira citada no Livro de Apocalipse:
“Tenho, porém, contra ti o tolerares que essa mulher, Jezabel, que a si mesma se declara profetisa, não somente ensine, mas ainda seduza os meus servos a praticarem a prostituição e a comerem coisas sacrificadas aos ídolos.” (Ap 2:20)
 
Ao investigarmos a origem de muitas igrejas da atualidade, constatamos fatos como: “Tal pastor fundou a sua própria igreja depois de deixar a denominação anterior porque se desentendeu com os líderes daquela igreja… etc.”

 

Sendo assim, ao verificarmos a “árvore genealógica” de tais igrejas, chegamos ao Lutero e, então, aos Papas católicos. A igreja católica não foi fundada pelos apóstolos como dizem os próprios católicos, e sim por Constantino, no Século IV, em Roma. Essas igrejas que derivam uma da outra é prova incontestável de que são igreja dos homens.

 

Lutero foi um terrível antissemita e autor da ideologia nazista

 
Lutero era um monge católico excomungado que se tornou o fundador do movimento protestante, ou seja, do movimento que protestou contra os ensinamentos católicos. Devemos admitir que, além da doutrina trinitarista, ele levou na sua bagagem espiritual, muitos outros dogmas católicos. Ainda hoje, os protestantes falam ferozmente contra a doutrina católica sem perceberem que ainda continuam nas mesmas práticas. A igreja de Lutero corresponde à igreja em Sardes citada no Livro de Apocalipse:
“[…] Conheço as tuas obras, que tens nome de que vives e estás morto.” (Ap 3:1) 
 
Logo quando se iniciou o movimento protestante, Lutero escreveu:

 

“Talvez eu consiga atrair alguns judeus para a fé cristã, pois nossos tolos, os papas, bispos, sofistas e monges… até agora os têm tratado tão mal que… se fosse judeu e visse esses idiotas cabeças-duras estabelecendo normas e ensinando a religião cristã, eu preferiria ser um porco a ser cristão. Pois esses homens trataram os judeus como cães, e não como seres humanos.” [Martinho Lutero: That Jesus Christ was born a Jew (New York: Ktav/Anti-Defamation League of B’nai B’rith, 1975), p. 33]
 
Anos mais tarde, Lutero irritado e decepcionado por não conseguir atrair nenhum judeu para o protestantismo, mudou a sua visão e passou a declarar:

“Em primeiro lugar, suas sinagogas deveriam ser queimadas… Em segundo lugar, suas casas também deveriam ser demolidas e arrasadas… Em terceiro, seus livros de oração e Talmudes deveriam ser confiscados… Em quarto, os rabinos deveriam ser proibidos de ensinar, sob pena de morte… Em quinto lugar, os passaportes e privilégios de viagem deveriam ser absolutamente vetados aos judeus… Em sexto, eles deveriam ser proibidos de praticar a agiotagem [cobrança de juros extorsivos sobre empréstimos]… Em sétimo lugar, os judeus e judias jovens e fortes deveriam pôr a mão na debulhadeira, no machado, na enxada, na pá, na roca e no fuso para ganhar o seu pão no suor do seu rosto… Deveríamos banir os vis preguiçosos de nossa sociedade … Portanto, fora com eles…

Resumindo, caros príncipes e nobres que têm judeus em seus domínios, se este meu conselho não vos serve, encontrai solução melhor, para que vós e nós possamos nos ver livres dessa insuportável carga – os judeus.” [Martinho Lutero: Concerning the Jews and their lies  pp. 34-36]

 

Quatro séculos mais tarde, no julgamento de Nuremberg, os ex-oficiais nazistas argumentaram que nada mais fizeram senão o que Lutero havia dito.

 

Lutero esqueceu de observar a Epístola aos Romanos que diz:

“Porque não quero, irmãos, que ignoreis este mistério (para que não sejais presumidos em vós mesmos): que veio endurecimento em parte a Israel, até que haja entrado a plenitude dos gentios. E, assim, todo o Israel será salvo, como está escrito: Virá de Sião o Libertador e ele apartará de Jacó as impiedades.” (Rm 11:25-26)

 

Se não somos católicos nem protestantes, quem somos?

Na época dos apóstolos não existiam igrejas católicas nem protestantes. No Livro de Atos dos Apóstolos encontramos registros de uma igreja pura e verdadeiramente fundada pelo Senhor JESUS Cristo.

 

O Capítulo 2 do Livro de Atos descreve a igreja primitiva da seguinte maneira:

  • Vers. 1-13 – Recebeu o Espírito Santo e falava em línguas;
  • Vers. 38 – Ordenou o arrependimento e batismo em nome de JESUS Cristo;
  • Vers. 42 – Perseverava na doutrina dos apóstolos e na comunhão, no partir do pão e nas orações.

Ora, se JESUS Cristo morreu na cruz por nós, então o nosso compromisso é com Ele!

 

A igreja primitiva pregava que JESUS havia ressuscitado, subido ao céu e que voltaria. Pregava também que era necessário o arrependimento dos pecados entregando a vida ao Senhor JESUS Cristo para poder obter a salvação e assim entrar na vida eterna. A mensagem da cruz não caducou; mas permanece viva na verdadeira igreja.