Questões insensatas (2Tm 2:23)

“E repele as questões insensatas e absurdas, pois sabes que só engendram contendas.” (2Tm 2:23)

 

Há situações em que, quando anunciamos o evangelho do nosso Senhor, as pessoas fazem perguntas – digamos, um pouco fora do contexto da pregação. O objetivo do evangelista é de anunciar o Salvador e a salvação, porém, bem sabemos que nem todos que se reúnem para a palavra vem com o objetivo de buscar a salvação. Alguns, nitidamente, são perseguidores; outros, desinteressados que lá estão apenas por educação; e ainda somam-se a este contingente, ateus, curiosos, tumultuadores, pesquisadores, humoristas, comentaristas ao vivo, simples acompanhantes, plantonistas à espera de um deslize para atacar o pregador, gente afim de começar um debate, e mais uma infinidade de espécies já catalogadas.

 

O Senhor JESUS ordenou:

“[…] Ide por todo o mundo e pregai o evangelho a toda criatura.” (Mc 16:15)

 

Você vai evangelizar um grupo de amigos, e logo um deles interrompe o bom andamento da pregação com perguntas fora do contexto da pregação. Perguntas como: Adão e Eva tinham umbigos? ou, com quem se casou Caim, se não havia mais ninguém, se não ele mesmo e os seus pais? E ainda: Como pode Deus dizer “não matarás” e depois aprovar a morte dos inimigos de Israel?

 

À primeira vista, parecem questões de quem lê a Bíblia e que está em busca de esclarecimentos para o seu crescimento espiritual. Tomara que sim! Entretanto, pela própria circunstância de, por exemplo, você estar falando da descida do Espírito Santo (At 2) e alguém interromper cobrando uma explicação para o caso do jumento falante de Balaão, já indica que este sujeito está muito mais para causar desordem e contaminar os demais do que ouvir respeitosamente e aprender. Mesmo que você responda a todas as suas perguntas sobre o conteúdo das Sagradas Escrituras, raramente estes abrirão o coração para que sejam salvos. O motivo é claro – Paulo escreveu aos Coríntios:

“Isto afirmo, irmãos, que a carne e o sangue não podem herdar o reino de Deus, nem a corrupção herdar a incorrupção.” (1Co 15:50)

 

e, ainda:

“Ora, o homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque lhe são loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente.” (1Co 2:14)

 

Apesar de tudo que possa ocorrer, o pregador não pode perder a postura (cf. 2Tm 2:24-26) para que a Palavra do Senhor não seja difamada (cf. Tt 2:1-5). Então, que tal dizer, por exemplo:

  • Sinceramente, eu não sei te responder agora; mas acreditemos que o Senhor em breve nos revelará (cf. Jo 13:7);
  • Trataremos deste assunto numa outra oportunidade (cf. Hb 6:1-3);
  • Retire-se por favor. Você está atrapalhando o que é sagrado (cf. At 8:20-23).

Ou, em último caso, repreenda-o severamente com autoridade (cf. At 13:10-11).

 

Eis algumas dicas de Paulo para você que se preocupa verdadeiramente com a evangelização:

1Co 2:1-5 – “Eu, irmãos, quando fui ter convosco,anunciando-vos o testemunho de Deus, não o fiz com ostentação de linguagem ou de sabedoria. Porque decidi nada saber ente vós, senão a Jesus Cristo e este crucificado. E foi em fraqueza, temor e grande tremor que eu estive entre vós. A minha palavra e a minha pregação não consistiram em linguagem persuasiva de sabedoria, mas em demonstração do Espírito e de poder, para que a vossa fé não se apoiasse em sabedoria humana, e sim no poder de Deus.”;

2Co 2:17 – “Porque nós não estamos, como tantos outros, mercadejando a palavra de Deus; antes, em Cristo é que falamos na presença de Deus, com sinceridade e da parte do próprio Deus.”;

2Co 4:2-4 – “[…] Rejeitamos as coisas que, por vergonhosas, se ocultam, não andando com astúcia, nem adulterando a palavra de Deus; antes, nos recomendamos à consciência de todo homem na presença de Deus, pela manifestação da verdade. Mas, se o nosso evangelho ainda está encoberto, é para os que se perdem quje está encoberto, nos quais o deus deste século cegou o entendimento, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, o qual é a imagem de Deus.”

1Tm 1:5-7 – “Ora, o intuito da presente admoestação visa ao amor que procede de coração puro, e de consciência boa, e de fé sem hipocrisia. Desviando-se de algumas pessoas destas coisas, perderam-se em loquacidade frívola, pretendendo passar por mestres da lei, não compreendendo, todavia, nem o que dizem, nem os assuntos sobre os quais fazem ousadas asseverações.”

1Tm 6:3-5 – “Se alguém ensina outra doutrina e não concorda com as sãs palavras de nosso Senhor Jesus Cristo e com o ensino segundo a piedade, é enfatuado, nada entende, mas tem mania por questões e contendas de palavras, de que nascem inveja, provocação, difamações, suspeitas malignas, altercações sem fim, por homens cuja mente é pervertida e privados da verdade, supondo que a piedade é fonte de lucro.”