Quem foi Timóteo?

Na postagem anterior, você viu que na primeira viagem missionária, Paulo e Barnabé estiveram em Antioquia da Pisídia, Icônio, Listra, Derbe, e muitas outras cidades anunciando o Único Salvador, JESUS Cristo. Eles foram injuriados e molestados, mas isto não significa que os apóstolos viajavam em vão, porque mesmo em meio a grandes perseguições, o Senhor havia guardado muitas almas a serem salvas. Em muitos casos, Paulo e Barnabé foram obrigados a fugir de cidade em cidade, mas em cada nova localidade onde eles pisavam, incansavelmente anunciavam o evangelho. Provavelmente, foi na ocasião da primeira viagem que Paulo conheceu um jovem chamado Timóteo, filho de uma judia chamada Eunice (2Tm 1:5), porém pai gentio (At 16:1).

 

Timóteo era um discípulo (aprendiz do evangelho) listrense (At 16:1) e, era muito estimado pelos cristãos da sua cidade, e também da vizinha Icônio. Muitas passagens das duas epístolas enviadas ao Timóteo parecem denunciar a sua timidez (2Tm 1:7-14), por isso, lemos nelas não poucas admoestações da parte de Paulo como não dar lugar às paixões da mocidade (2Tm 2:22); ou não envergonhar-se do evangelho (2Tm 1:8).

 

Paulo, na sua segunda viagem missionária, passou novamente pela cidade de Listra e se interessou pelo jovem Timóteo no seu ministério e, prontamente, o chamou para fazer parte da sua equipe. Talvez, para confirmar a vocação de Timóteo, Paulo tenha escrito posteriormente:

“[…] É necessário que ele tenha bom testemunho dos de fora, a fim de não cair no opróbrio e no laço do Diabo.” (1Tm 3:7)

 

DSCN1437

Éfeso

Provavelmente, as epístolas pessoais foram enviadas ao Timóteo quando este já exercia um importante ministério na obra de Deus em Éfeso (1Tm 1:3). Numa destas epístolas, Paulo diz que o chamado de Timóteo ao ministério havia sido profético (1Tm 1:18), por isso, as obras que Timóteo estava encarregado, o seu amor e esforço pessoal pelo evangelho eram confirmações deste chamado mediante a imposição das mãos dos presbíteros e do próprio apóstolo Paulo (1Tm 4:14, 2Tm 1:6).

 

Timóteo, o jovem discípulo

JESUS Cristo, o nosso Senhor ordenou a fazer discípulos, batizando-os e ensinando-os: (Mt 28:19-20). Seguindo este mandamento, a semelhança dos demais apóstolos, Paulo também buscou homens com perfil necessário (cf. 1Tm 3:1-13) para cumprir a ordem missionária do Senhor JESUS: “Ide e pregai” (cf. Mc 16:15).

 

Timóteo foi rigorosamente instruído por Paulo e mediante a imposição de mãos foi enviado para apascentar os rebanhos do Senhor em várias regiões. Em outras ocasiões, Timóteo foi testemunha ocular de muitos acontecimentos que fortaleceram a sua própria fé:

“Tu, porém, tens seguido, de perto, o meu ensino, procedimento, propósito, fé, longanimidade, amor perseverança, as minhas perseguições e os meus sofrimentos, quais me aconteceram em Antioquia, Icônio e Listra, – que variadas perseguições tenho suportado! De todas, entretanto, me livrou o Senhor.” (2Tm 3:10-11);

 

“Tu, porém, permanece naquilo que aprendeste e de que foste inteirado, sabendo de quem o aprendeste e que, desde a infância, sabes as sagradas letras, que podem tornar-te sábio para a salvação pela fé em Cristo Jesus.” (2Tm 3:14-15)

 

Com várias experiências ao lado do apóstolo Paulo, Timóteo tornou-se leal companheiro, fiel colaborador e ajuda constante e essencial no trabalho missionário do apóstolo, a ponto de ser chamado carinhosamente de “verdadeiro filho na fé” (1Tm 1:2) e “amado filho” (2Tm 1:2 e 2:1).

 

IMG_5977

Corinto

Na Segunda Epístola aos Tessalonicenses 3:2, lemos que numa certa ocasião, Timóteo fora enviado à cidade de Tessalônica para confirmar e exortar os crentes daquela cidade que estavam passando por tribulações por causa da fé em Cristo JESUS. Também lemos em 2Co 1:19 que Timóteo acompanhou Paulo e Silvano em Corinto nas obras de pregação; e por At 20:4 e 5 sabemos que esteve em Jerusalém.

 

Durante o período em que Paulo esteve encarcerado, escreveu as Epístolas aos Colossenses, ao Filemom e aos Filipenses. Nesta última, Paulo recomenda o seu fiel aprendiz e sucessor, cujas fraquezas são tão evidentes quanto suas virtudes.