“Prudentes como as serpentes” (Mt 10:16)

Você viu na postagem anterior a importância de prestar atenção nas palavras do Senhor, porque elas são verdade (Jo 17:14) e alimento (Mt 4:4); e quem nelas medita é prudente (Js 1:5-9) e prospera (Sl 1:1-3). Por isso, até em, aparentemente, simples palavras do nosso Senhor podemos encontrar grandes mensagens:
“Porque a palavra de Deus é viva, e eficaz, e mais cortante do que qualquer espada de dois gumes, e penetra até ao ponto de dividir alma e espírito, juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e propósitos do coração.” (Hb 4:12)

 

Muitos capítulos da Bíblia apresentam as serpentes como símbolo do mal, porém em algumas passagens elas são citadas como exemplo a ser seguido pelos cristãos. O Senhor, ao enviar os discípulos, os advertiu dizendo: 
“Eis que eu vos envio como ovelhas para o meio de lobos; sede, portanto, prudentes como as serpentes e símplices como as pombas.” (Mt 10:16)

 

O Senhor disse para sermos prudentes como as serpentes, por isso, é bom sabermos mais a respeito delas. As serpentes:
  • não possuem patas – precisam rastejar para se movimentar (cf. Gn 3:14);
  • não possuem orelhas externas;
  • não possuem dentes para mastigar, senão, presas pontiagudas, próprias para capturar animais;
  • enxergam mal – apesar de conseguirem detectar movimentos ao seu redor;
  • comem pouco – aliás, engolem o alimento, por isso, não podem sentir o prazer de saborear os alimentos;
  • são repudiadas – “[…] Maldita és entre todos os animais […]” (Gn 3:14).

 

Talvez, numa situação como a das serpentes, a pessoa perca toda esperança de viver; no entanto, as serpentes lutam para sobreviver e deixar a sua descendência. Assim deve ser o homem que serve ao Senhor JESUS.

“Em tudo somos atribulados, porém não angustiados; perplexos, porém não desanimados; perseguidos, porém não desamparados; abatidos, porém não destruídos; levando sempre no corpo o morrer de Jesus, para que também a sua vida se manifeste em nosso corpo.” (2Co 4:8-10)

 

“Ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto na vide; o produto da oliveira minta, e os campos não produzam mantimento; as ovelhas sejam arrebatadas do aprisco, e nos currais não haja gado, todavia, eu me alegro no SENHOR, exulto no Deus da minha salvação. O SENHOR Deus é a minha fortaleza, e faz os meus pés como os da corça, e me faz andar altaneiramente. […]” (Hb 3:17-19)