Profecia: China reativa a Rota da Seda

china london

“[…] Estas palavras são fiéis e verdadeiras. O Senhor, o Deus dos espíritos dos profetas, enviou seu anjo para mostrar aos seus servos as coisas que em breve devem acontecer. Eis que venho sem demora. Bem-aventurado aquele que guarda as palavras da profecia deste livro.” (Ap 22:6-7)

 

A Rota da Seda (Silk Road) era uma série de vias interligadas que ligava a China com a Europa. No Séc. XIX, um geógrafo alemão denominou “Rota da Seda” porque por ali passaram os mercadores europeus que iam buscar a seda que era produto exclusivo da China. O explorador Marco Polo (1254-1324) foi um dos primeiros europeus a chegar ao Extremo Oriente percorrendo a Rota da Seda, quando ainda tinha 18 anos de idade.

 

Consciente da necessidade de construir vias para abastecer as suas indústrias e escoar a sua produção, a China moderna tem unido todos os seus esforços e está reabrindo a rota Beijing (Capital chinesa) e Xanghai – Europa por terra e pelo mar. O governo chinês tem investido pesadamente para pavimentar, abrir túneis e construir pontes, estradas de ferro, gasodutos, oleodutos, redes elétricas e de informática neste longo percurso de quase meio planeta de extensão, desbancando as lendárias vias férreas como o Expresso do Oriente, Transiberiano e Transmongoliano.

Veja: http://www.foodlogistics.com/news/12060209/china-sets-25-billion-trade-goal-for-a-modern-silk-road

China

china-central-asia-800-080512

Xin Jiang em destaque

Os limites do território chinês sofreram inúmeras mudanças desde a época das primeiras dinastias. Ao longo da sua história, a China anexou vários territórios através de colonização ou de guerras, tornando-se atualmente terceiro maior país do mundo em extensão (9,597 milhões de Km²). Este imenso território está subdividido em 22 províncias, 5 regiões autônomas, quatro cidades administradas diretamente pelo governo de Beijing e duas regiões administrativas especiais (Hong Kong e Macau). Foquemos a atenção à Região autônoma de Xin Jiang que se destaca na extremidade noroeste do país.

 

Xin Jiang tem a área um pouco maior que o Estado do Amazonas e faz fronteira com a Mongólia, Rússia, Cazaquistão, Quirguistão, Tajiquistão, Afeganistão, Paquistão e Índia. A composição étnica de Xin Jiang é de maioria uygur, cuja religião é islamismo sunita. É interessante notar que esta mesma característica étnica, linguística e religiosa, estende-se pelos vizinhos ocidentais até a Turquia.

 

Turquia

língua turca

Distribuição da língua turca no mundo

Turkey significa ‘lar dos turcos’. Embora o povo turco tenha feito da Península da Anatólia, o seu lar moderno, é sabido que este povo milenar é originário da Ásia central, exatamente de onde estamos falando: da área onde atualmente corresponde Xin Jiang, Quirguistão, norte do Paquistão e Afeganistão, Tajiquistão, Cazaquistão, e Uzbequistão.  Dali os turcos foram migrando para o Oeste e fundaram o grande império turco-otomano que só foi extinto com a Primeira Guerra Mundial. Isto explica o rastro cultural deixado pelos turcos desde a Ásia Central até a atual Turquia.

 

Trens chineses de alta velocidade

20131109_CNM909Voltando a falar da província chinesa de Xin Jiang – o governo chinês está construindo uma malha de estrada de ferro para trens de alta velocidade, e um dos seus terminais foi concluído recentemente na cidade de Urumqi, capital da província de Xin Jiang. Talvez, você possa pensar que, agora, quem vai à China poderá visitar os lugares mais remotos como Xin Jiang com mais conforto e rapidez usando esses trens de alta velocidade.

 

Na verdade, este aparentemente inocente empreendimento é resultado da logística militar chinesa para deslocar o seu exército para conter ataques terroristas, sufocar manifestações separatistas, ou qualquer outro problema público que possa por em questão os interesses do país. Assim, a nova estrada de ferro da China que liga Lanzhou (centro do país) a Urumqi, testado em junho de 2014, ajudará Beijing a controlar melhor esta província muçulmana. Alcançando até 350km/h, o tempo de alta velocidadeviagem de Lanzhou  a Urumqi que era de 20 horas, diminuiu para apenas 8 horas. À medida que o apetite econômico e energético da China aumenta em direção a Oeste, é cada vez mais provável que a China implante estratégias militares para proteger seus interesses: Os trens de alta velocidade, também conhecidos como trens-bala, são compostos por 16 vagões e podem transportar até 1600 soldados levemente armados em cada viagem neste trecho. Com o esforço e interesse do governo chinês em aperfeiçoar as suas máquinas e estradas, estima-se que em breve a China terá capacidade para transportar 200 mil soldados em apenas um dia. Já por vias férreas de transporte pesado, a China planeja transportar mísseis intercontinentais com capacidade nuclear.

“O número dos exércitos da cavalaria era de vinte mil vezes dez milhares; eu ouvi o seu número.” (Ap 9:16)

 

‘Vinte mil vezes dez milhares’ são 200 milhões, o que quase equivale a população inteira do Brasil. A China com a população de 1 bilhão e trezentos milhões de habitantes, é único país do mundo que possui 200 milhões de homens aptos para  para o serviço militar disponível a qualquer momento.

 

Iraque

bridgesO Iraque abriga cerca de 15 mil cidadãos e militares chineses que garantem a exportação de 1,5 milhões de barris de petróleo por dia (dados de 2013) – isto significa ser a China o maior comprador de petróleo iraquiano do mundo, por isso, a China não poderia deixar de investir em vias de acesso ao Iraque.

 

Observe o mapa simplificado ao lado: Uma das três estradas financiadas pela China passará pelos territórios do Irã, Iraque, Síria e Turquia para chegar ao mercado europeu.

 

O objetivo da malha viária chinesa é a conectividade através de infra-estruturas para facilitar a circulação de bens, serviços e pessoas. As duas primeiras vias ferroviárias já estão em andamento, e o terceiro corredor ao sul prossegue atualmente em negociações com 20 países em toda a Eurásia. No entanto, esses países se sobrepõem com territórios almejados pelos grupos terroristas do Oriente Médio. Diante disso, fica claro que a China e o ISIS (Estado Islâmico) estarão se preparando para lutar pela influência no Oriente Médio rico em recursos energéticos; sendo o principal campo de batalha, o Iraque e a Síria.

“Então, os ajuntaram no lugar que em hebraico se chama Armagedom” (Ap 16:16)

 

Há dois mil anos, já havia sido revelado que o Eufrates, o principal rio que corre no Iraque secaria – (isto pode estar se referindo literalmente à seca, ou até construção de pontes por onde as pessoas pudessem passar com os pés enxutos para o outro lado do rio). Assim, facilitaria os governantes do lado oriental (todos os países já citados acima) passarem para o outro lado.

“Derramou o sexto a sua taça sobre o grande rio Eufrates, cujas águas secaram, para que se preparasse o caminho dos reis que vêm do lado do nascimento do sol” (Ap 16:12)

 

A China e o extremismo religioso do Oriente Médio

CALIPHATEEm 2014, um atentado terrorista em Xin Jiang deixou o governo central de Beijing em alerta, o que fez acelerar as obras de construção de linhas férreas para Urumqi. Para a China, Xin Jiang é um território problemático, mas por outro lado, estratégico para expandir o seu comércio rumo à Ásia Central, Oriente Médio e Europa, por isso, não deve ser desprezado. Além disso, Xin Jiang também possui recursos naturais em abundância para abastecer as indústrias chinesas.

 

A presença de grupos de extremismo religioso representam um grande obstáculo para a ambição chinesa na Eurásia. Observe ao lado, a intenção do grupo terrorista ISIS em formar um único país onde incluem Portugal e Espanha que outrora foram conquistados pelos árabes, a península balcânica, as ex-repúblicas soviéticas, e Xin Jiang, além de outros países de maioria muçulmana da região.

oil

Presença de militares chineses no Iraque

Por motivos óbvios, não se espera que os terroristas respeitem quaisquer normas de guerra ou humanitárias. Também por motivos óbvios, os países ocidentais envolvidos em guerras contra o terrorismo ou não, procuram seguir estas normas internacionais sob pena de serem acusados de crime de guerra ou contra a humanidade. Já com a China, as estratégias terroristas não funcionam, porque ela também é tida como um dos países que mais violam direitos humanos – isto é, a China não está muito preocupada em seguir acordos internacionais. Para ela, os interesses do Partido Comunista sempre vem em primeiro lugar.

 

Assim como a China, o ISIS, também mantém grandes interesses nos campos petrolíferos iraquianos. A estatal petrolífera chinesa investe maciçamente no Iraque, e a presença de insurgentes terroristas tem sido uma grande ameaça para os interesses chineses. Para o ISIS, os campos petrolíferos no Iraque e na Síria, tornaram-se fonte de renda para autofinanciar suas atividades expansionistas. Em 2014, o ISIS chegou a controlar mais de 60% do petróleo da Síria, chegando a ser o grupo terrorista mais rico da história.

Veja: http://www.correiodobrasil.com.br/cacas-chineses-unem-se-a-russia-contra-ei-na-siria-e-iraque/

 

 Conclusão

Quem é quem

Quem é quem na guerra do Eufrates

Somos informados através das Escrituras Sagradas que o fim de tudo se dará em Armagedom (Ap 16:14). Segundo o profeta Jeremias, essa guerra acontecerá nos últimos dias perto do rio Eufrates (Jr 46:10). Por isso, podemos considerar a nova Rota da Seda altamente significativa: As últimas palavras do Livro do Apocalipse são:

“[…] E se dirigem aos reis do mundo inteiro com o fim de ajuntá-los para a peleja do grande Dia do Deus Todo-Poderoso” (Ap 16:14)