“Preciosa é aos olhos do SENHOR a morte dos seus santos” (Sl 116:15)

Um dia tudo o que está vivo morrerá, a não ser que venha o grande e glorioso Dia do Senhor, quando os mortos ressuscitarão e os que estiverem vivos serão transformados e finalmente, todos subiremos para o encontro com o Senhor (Cf. 1Ts 4:14-17).

 

A mensagem em 1Ts 4:13 diz:

“Não queremos, porém, irmãos, que sejais ignorantes com respeito aos que dormem, para não vos entristecerdes como os demais que não tem esperança.”

 

Em outras palavras, Paulo quis dizer que devemos estudar mais a Bíblia para podermos nos apoiar no SENHOR, nas Suas promessas e doutrinas, caso contrário, seremos como os incrédulos que não tem nenhuma esperança. Se estudarmos mais as palavras do SENHOR e andarmos pela fé, deixando de andar pelo que vemos, a morte perderia o poder de apavorar as pessoas.

“Onde está, ó morte, a tua vitória? Onde está, ó morte, o teu aguilhão?” (1Co 15:55)

 

A mentalidade pagã associa a morte com: desgraça, castigo, punição, trevas, fim, etc.; e tudo isso faz sentido sim, mas aos filhos da perdição. Porém quanto aos homens de Deus que andam fielmente no Caminho, a Bíblia diz:

Preciosa é aos olhos do SENHOR a morte dos seus santos(Sl 116:15)

 

Esta é uma das muitas confortantes declarações na Bíblia Sagrada referente a esse grande evento do qual a carne tanto se apavora. Se o povo do Senhor fizesse mais frequentemente um estudo em oração e fé sobre o que a Palavra diz a respeito da sua partida deste mundo, a morte perderia muito, se não todos dos seus terrores. Mas, infelizmente, em vez de fazê-lo, deixa a imaginação correr solta, entrega-se a temores carnais, anda por vista, em vez de caminhar pela fé.

 

O amor nunca é tão intenso quando é ministrado às necessidades daqueles que ele estima, e nunca o cristão é tão necessitado e impotente como na hora da morte. Mas as situações extremas do homem são as oportunidades de Deus. É então que o SENHOR diz ao Seu apavorado filho:

“Não temas, porque eu sou contigo; não te assombres, porque eu sou o teu Deus; eu te fortaleço, e te ajudo, e te sustento com a minha destra fiel.” (Is 41:10)

 

É por isso que podemos dizer confiantemente:

“Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei mal nenhum, porque tu estás comigo; o teu bordão e o teu cajado me consolam.” (Sl 23:4)

 

“Preciosa é aos olhos do SENHOR a morte dos seus santos” – Estas íntimas palavras de um homem de Deus morrendo é objeto de atenção especial do nosso SENHOR, pois note a expressão “aos olhos”. É verdade que os olhos do Senhor estão sempre sobre nós, pois Ele nunca dorme nem descansa. É verdade que podemos dizer em todos os momentos “Tu és Deus que me vê” (cf. Gn 16:13). Mas parece que da Escritura existem ocasiões quando Ele observa e cuida de nós de uma maneira especial, como em:
  • Sl 46:1 – “DEUS é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente nas tribulações.” ;
  • Is 43:2 – “Quando passares pelas águas, eu serei contigo; quando, pelos rios, eles não te submergirão; quando passares pelo fogo, não te queimarás, nem a chama arderá em ti.” .

Frequentemente, contemplamos a morte, como a maioria das outras coisas, do nosso ponto de vista. As palavras de Salmo 116:15 nos diz que do ponto de vista divino: a morte de um santo não é nem pavorosa, nem horrível, trágica ou terrível, mas “preciosa”. Isso levanta a questão: Por que é a morte de Seu povo preciosa aos olhos do Senhor?

 

1. O povo do Senhor é precioso aos olhos de Deus.

O povo eleito, de propriedade exclusiva do SENHOR é, e sempre foi querido para ELE. Foi por causa de nós, o povo de Deus, cujos nomes estão marcados no Livro de Deus, que o SENHOR se fez carne derramando o seu precioso sangue. O povo de Deus é corpo de Cristo, portanto, tudo o que lhes diz respeito é precioso aos Seus olhos. O Senhor ama Seu povo tão intensamente que até os cabelos de suas cabeças estão contados: os anjos são enviados para servir-lhes, e porque seu povo é tão precioso aos Seus olhos assim também são as suas mortes.

 

2. A morte do santo é encontro com o Senhor.
O Senhor se deleita em ter Seu povo junto de Si. Isso foi evidenciado durante todo Seu ministério terreno. Onde quer que fosse, o Senhor levava os seus discípulos. Se era para o casamento em Caná, para as festas em Jerusalém, à casa de Jairo quando sua filha estava morta, ou para o Monte da Transfiguração, os discípulos sempre O acompanhavam. Repare no que diz o Versículo abaixo:

“Então, designou doze para estarem com ele […]” (Mc 3:14)

 

JESUS Cristo é o mesmo, ontem, e hoje, e eternamente. Sendo assim, Ele nos garantiu:

“E, quando eu for e vos preparar lugar, voltarei e vos receberei para mim mesmo, para que, onde eu estou, estejais vós também.” (João 14:3). 

 

3. A morte de um homem de Deus é o fim das tristezas e sofrimentos.
Há uma razão para os nossos sofrimentos, pois através de muitas tribulações nos importa entrar no reino de Deus (At 14:22). No entanto, o Senhor não “aflige nem entristece de bom grado” (Lm 3:33). Deus não é esquecido nem indiferente às nossas provações e dificuldades. Em relação ao Seu povo de outrora, está escrito: “Em toda a angústia deles ele foi angustiado” (Is 63:9). “Assim como um pai se compadece de seus filhos, assim o SENHOR se compadece daqueles que o temem” (Sl 103:13). Assim, também somos informados de que nosso grande Sumo Sacerdote se compadece “das nossas fraquezas” (cf. Hb 4:15). Aqui, então, pode ser outra razão pela qual a morte de um santo é preciosa aos olhos do Senhor, porque marca o término de suas tristezas e sofrimentos.

 

Enquanto estamos tristes por causa da morte de um santo, o Senhor está se regozijando. Em uma certa ocasião, o Senhor orou dizendo:

“Pai, a minha vontade é que onde eu estou, estejam também comigo os que me deste, para que vejam a minha glória que me conferiste […]” (Jo 17:24)

 

Por isso, a morte de um homem de Deus não é apavorante, terrível, angustiante, etc., mas PRECIOSA aos olhos de Deus. Amém!

“Como pastor, apascentará o seu rebanho; entre os seus braços recolherá os cordeirinhos e os levará no seio […]” (Is 40:11)