Por que se juntam as mãos abertas para orar?

Gestos como juntar as mãos para uma prece parece tão natural, porém, tal costume não é citado em nenhum versículo Bíblico.

 

Europeus no Oriente

Em meados do Século XIII, nasceu em Veneza, aquele que seria um grande explorador do Oriente, Marco Polo. Este foi um do primeiros ocidentais a percorrer a Rota da Seda, que foi bastante importante até a descoberta da rota marítima para o Oriente, cerca de 250 anos depois.

 

Portugueses na Índia, China e Japão

Os primeiros portugueses chegaram à Índia liderado por Vasco da Gama em 1498; em 1513 a esquadra de Jorge Álvares chegou à China, e em 1542 foi a vez do Japão. Não é de se estranhar que a Bíblia que usamos foi traduzida pelo português João Ferreira de Almeida, na Malásia, no Século XVII. Há 500 anos, na época das grandes navegações, os portugueses já haviam chegado ao Extremo Oriente.

 

Reinos católicos da Europa

Juntamente com os navegadores portugueses, jesuítas embarcaram rumo às novas terras. No Japão, por exemplo, o jesuíta Francisco Xavier (1506-1552) foi enviado na tentativa de catequizar os japoneses e lá viveu por muitos anos até ser expulso com os demais estrangeiros. Nas suas jornadas, certamente, os católicos voltaram levando à Europa, além de mercadorias orientais, muitos costumes destes povos, inclusive, costumes religiosos.

 

Budismo

Mãos juntas e o terço budista

O budismo é uma religião que se originou na região da Índia. No budismo, a mão direita representa o Buda, e a esquerda, o homem. Assim, para os praticantes do budismo, juntar as mãos para rezar, é unir o homem ao Buda, com isso, querendo dizer que as forças se equilibram, ideia essa que se propagou também aos taoístas chineses que pregam o equilíbrio entre o bem e o mal.

Veja também: Namastê

 

Juntar as mãos abertas para rezar

Os europeus que visitaram o berço do budismo, levaram ao Vaticano, e do Vaticano para o mundo, o costume de juntar as abertas mãos para rezar. Cabe lembrar aqui, outros costumes importados do budismo como a missa pelos mortos e o uso do terço. Tanto um como outro, não são costumes bíblicos e nunca fizeram parte do ensinamento cristão. Veja o que diz a Bíblia:

“Levantai as vossas mãos no santuário, e bendizei ao Senhor.” (Sl 134:2)

“Quero, pois, que os homens orem em todo o lugar, levantando mãos santas, sem ira nem contenda.” (1Tm 2:8)