Pensamento positivo é diferente de fé

Esta palavra tão curta na nossa língua têm um grande significado, e a sua aplicação prática na vida cotidiana de um crente pode mudar completamente a sua vida e o seu destino – Amém! Mas o que é fé?

 

Segundo o especialista no assunto, a Bíblia Sagrada:

 

“[…] A fé é a certeza de coisas que se esperam, a convicção de fatos que se não vêem.” (Hb 11:1)

 

Fé é credibilidade total, confiança e certeza no SENHOR, nosso Deus, mesmo que não se veja nenhuma evidência concreta que comprove a veracidade da proposta em questão.

 

 

Nos versículos que seguintes de Hb 11 há exemplos de aplicação da fé. Note, contudo, que por último o escritor da Epístola aos Hebreus escreve:

 

“Ora, todos estes que obtiveram bom testemunho por sua fé não obtiveram, contudo, a concretização da promessa” (Hb 11:39)

 

É bom que tenhamos pensamento positivo – muito melhor do que vivermos depressivos sem esperança, vagueando em pensamentos

 

“A ansiedade no coração do homem o abate, mas a boa palavra o alegra” (Pv 12:25)

 

“O coração alegre é bom remédio, mas o espírito abatido faz secar os ossos.” (Pv 17:22)

 

Pensamento positivo

Em Mc 8:31 vemos o nosso Senhor JESUS Cristo ensinando claramente os seus discípulos sobre a necessidade Dele sofrer e morrer. Pedro, porém, chamando-o à parte, começou a reprová-lo dizendo: […] Tem compaixão de ti, Senhor; isso de modo algum te acontecerá.” (Mt 16:22)

 

Humanamente dizendo, as palavras do Senhor pareciam bastante pessimistas, ao contrário das de Pedro, parecendo otimistas. Porém, à luz das Escrituras, as coisas não são o que parecem aos olhos ou ouvidos da carne. JESUS logo, voltando-se a Pedro, repreendeu dizendo: Arreda, Satanás! Isto nos mostra que um suposto pensamento positivo nem sempre vem de nós mesmos, por isso, cuidado! E as palavras aparentemente negativas, podem ser profecias para grandiosos acontecimentos para a glória de Deus. Por isso, não vivamos buscando “aparências” que são coisas da carne, mas sim, o Espírito vivificante.

 

Paulo, em 2Co 4:8-9 diz:

 

“Somos atribulados, porém não angustiados; perplexos, porém não desanimados; perseguidos, porém não desamparados; abatidos, porém não destruídos”

 

Estas palavras não se tratam meramente de pensamento positivo, porque, como vemos no versículo anterior e posterior, o apóstolo diz:

    • V. 7 – “[…] Para que a excelência do poder seja de Deus e não de nós”;
    • V. 11 – “[…] Para que também a vida de Jesus se manifeste em nossa carne mortal”
    • V. 16 – “Por isso, não desanimamos; pelo contrário, mesmo que o nosso homem exterior se corrompa, contudo, o nosso homem interior se renova de dia em dia. Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós eterno peso de glória, acima de toda comparação, não atentando nós nas coisas que se vêem, mas nas que se não vêem; porque as que se vêem são temporais, e as que se não vêem são eternas.”

 

Vai dar certo, vai dar certo, vai dar certo… Não deu!

Entretanto, quem vive somente de pensamento positivo poderá se decepcionar. De uma certa forma, o pensamento positivo é filosofia fantasiosa típico de quem joga na sorte; por exemplo, quem joga na loteria, joga mesmo sabendo que as suas chances são ínfimas. Este não é movido por fé, mas pela sua própria expectativa. Se der certo, o homem dará créditos à sua sorte; caso contrário, vem a angústia e decepção de quem se acha traído por algo ou alguém que tanto confiou. Portanto, o pensamento positivo não passa de uma forma de ilusão, se não for baseado na promessa Daquele que não pode mentir (cf. Tt 1:2) – como diz o próprio SENHOR: “Maldito o homem que confia no homem, faz da carne mortal o seu braço e aparta o seu coração do SENHOR.” (Jr 17:5)

 

“Tal homem se apascenta de cinza; o seu coração enganado o iludiu, de maneira que não pode livrar a sua alma, nem dizer: Não é mentira aquilo em que confio?” (sobre a idolatria – Is 44:20) 

 

Jó, Jeremias e outros passaram por profundo sofrimento, expondo os seus pensamentos negativos, porém baseados na Palavra, sem perder a fé.

 

Voltando à Epístola aos Hebreus, observe o que está escrito por último, depois da lista dos heróis que caminharam na fé:

“Ora, todos estes que obtiveram bom testemunho por sua fé não obtiveram, contudo, a concretização da promessa” (Hb 11:39)

 

O texto acima ensina que viver na fé não é necessariamente apalpar o que o coração humano deseja, mas obter bom testemunho através crença absoluta em Deus. Por isso, diz ainda neste mesmo capítulo que muitos foram apedrejados, provados, serrados pelo meio, ou seja, morreram. Nenhum deles ficou decepcionado, mesmo tendo investido a vida toda no Caminho da Fé, porque sabiam que havia “Deus provido coisa superior a nosso respeito, para que eles, sem nós, não fossem aperfeiçoados” (Hb 11:40)

 

 

Talvez a maior de todas as decepções acontecerá no Grande Dia do Senhor, em que muitos que não andaram na fé, mas apenas confiante no pensamento positivo do tipo “eu sou bom, vou para o céu” serão deixados, como na severa advertência do Senhor em Mt 7:21-23 e Lc 13:22-30.

“Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. Muitos, naquele dia, hão de dizer-me: Senhor, Senhor! Porventura, não temos nós profetizado em teu nome, em teu nome não expelimos demônios, e em teu nome não fizemos muitos milagres? Então, lhes direi explicitamente: nunca vos conheci. Apartai-vos de mim os que praticais a iniquidade.” ( Mt 7:21-23)