O Arco da Aliança

Na postagem anterior estudamos o grande dilúvio. Quando se fala do dilúvio, logo lembramos do maravilhoso sinal do acordo entre Deus e a humanidade descrito no Livro de Gênesis. Depois do dilúvio, o SENHOR pôs um arco no céu como sinal de que jamais voltaria a destruir o mundo através de dilúvio:

“E estará o arco nas nuvens, e eu o verei, para me lembrar da aliança eterna entre Deus e toda a alma vivente de toda a carne, que está sobre a terra.” (Gn 9:16)

 

Observe que a Bíblia não diz “arco-íris”, mas simplesmente “arco”. Em outras passagens podemos encontrar expressões “o meu arco” (Gn 9:13) ou “arco celeste” (Ap 4:3; 10:1), mas nunca “arco-íris*”.

*Algumas traduções mais antigas vêm grafada “arco-íris”, mas as edições mais recentes têm corrigido esse detalhe.

“E vi outro anjo forte, que descia do céu, vestido de uma nuvem; e por cima da sua cabeça estava o arco celeste, e o seu rosto era como o sol, e os seus pés como colunas de fogo” (Ap 10:1)

 

Quem era Íris?

Na mitologia grega, Íris era uma deusa que formava uma ponte entre o céu e a terra, representando a comunhão entre os deuses gregos e os homens. Daí, dizer-se arco-íris, em homenagem a esta falsa deusa. Ora, o arco é divino, e é sagrado. Não podemos atribuir o sinal da maravilhosa promessa divina a quem quer que seja, nem mesmo a deuses pagãos.

Por amor de mim, por amor de mim o farei, porque, como seria profanado o meu nome? E a minha glória não a darei a outrem. (Is 48:11)

 

Muitas doutrinas falsas têm se infiltrado no meio cristão e se não prestarmos atenção estaremos contribuindo para difundir heresias. Cometemos diariamente muitos erros, mas ao percebermos tais erros, peçamos perdão ao nosso Senhor e corrijamos imediatamente.

“E perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores” (Mt 6:12)

 

“Porque todos tropeçamos em muitas coisas. Se alguém não tropeça em palavra, o tal é perfeito, e poderoso para também refrear todo o corpo.” (Tg 3:2)