D. Pedro I

D. Pedro II

Pedro de Alcântara João Carlos Leopoldo Salvador Bibiano Francisco Xavier de Paula Leocádio Miguel Gabriel Rafael Gonzaga de Orleans e Hasburgo (à direita) era filho de Pedro de Alcântara Francisco Antônio João Carlos Xavier de Paula Miguel Rafael Joaquim José Gonzaga Pascoal Cipriano  Serafim  de  Bragança e Bourbon (à esquerda).  Talvez, seria  mais  fácil  dizer:  D. Pedro II era filho de  D. Pedro I.

 

Observe que, mesmo num nome tão extenso, não há nenhuma vírgula, pois se existisse, não seria nome, mas sim, uma frase.
Observe agora, o que diz a Bíblia Sagrada em Mt 28:18 e 19:
“Jesus, aproximando-se, falou-lhes, dizendo: Toda a autoridade me foi dada no céu e na terra. Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, […]” 
  • “[…] Batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo” (Versão Almeida Atualizada);
  • “[…] Batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo (Versão Almeida Corrigida);
  • “[…] Batizai-as em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo” (Versão Católica).
Você reparou as vírgulas? Na nossa escrita, elas servem para muitas finalidades, entre elas, para separar entre si elementos coordenados. É o caso do “Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo” que trata-se da fórmula do batismo, e não propriamente um nome; e ainda, nem Pai, nem Filho nem Espírito Santo são nomes próprios, e sim, títulos. Quem é o Pai? Qual o nome do Filho? Espírito Santo tem nome? Devemos conhecer o “nome” para então, batizarmos no nome.

 

A Bíblia nos afirma que o Senhor apareceu aos onze discípulos (não aos doze porque Judas Iscariotes havia suicidado) e ordenou que o batismo fosse ministrado em nome do Pai, em nome do Filho, e em nome do Espírito Santo. (Cf Mt 28:16-20) Assim que o Senhor subiu ao céu, os discípulos começaram a batizar as pessoas em “nome do Senhor Jesus Cristo”, isto porque, eles entenderam perfeitamente a ordem do Senhor:
  • “Respondeu-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo […]” (At 2:38);
  • “[…] Mas somente haviam sido batizados em o nome do Senhor Jesus.” (At 8:16);
  • “E ordenou que fossem batizados em nome de Jesus Cristo. […]” (At 10:48);
  • “Eles, tendo ouvido isto, foram batizados em o nome do Senhor Jesus.” (At 19:5).
Outra observação bastante importante é que a ordem foi  de batizar em “nome” e não em “nomes”, pois um só é o nome que é Jesus.
“E não há salvação em nenhum outro; porque abaixo do céu não existe nenhum outro nome, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos.” (At 4:12)