A manhã de Pentecostes

Há quase dois mil anos, no dia de Pentecostes, os discípulos do Senhor Jesus e outras 120 pessoas receberam o Espírito Santo prometido e começaram a falar em outras línguas e profetizar. Muitos dos curiosos que ali se dirigiram ficaram atônitos, e maravilhados, mas houve também pessoas que zombaram do que é sagrado. Era cerca da terceira hora do dia (entre oito e nove horas da manhã) e Pedro levantou-se juntamente com os demais discípulos para explicar o acontecimento. Naquele dia, quase três mil pessoas foram batizadas em nome do Senhor Jesus Cristo. (Leia At 2)

 

Três horas de muita oração

Pedro começou o seu discurso na terceira hora do dia, e provavelmente os homens que ali se encontravam estavam falando em línguas desde o amanhecer (primeira hora do dia – por volta das 6:00h); ou seja, quase três horas de muita oração e comunhão com Deus:

“Mas aquele que se une ao Senhor é um espírito com ele.” (1Co 6:17)

 

Certamente não foi uma oração breve, mas uma longa e incessante oração, em que os homens totalmente tomados pelo Espírito Santo pareciam estar fora de si, levando alguns à equivocada conclusão de estarem embriagados. Veja o que diz a Palavra de Deus:

“Ora, o homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque lhe são loucura; e não pode entendê-las, porque elas discernem espiritualmente.” (1Co 2:14)

 

Bem, neste caso, não nos importa a opinião humana, pois como diz a mensagem em Gl 1:10, procuramos agradar a Deus, não a homens. O que realmente importa, é que naquela manhã, e ainda hoje, muitas e muitas pessoas têm sido batizadas com o Espírito Santo. Antes de subir aos céus, Jesus disse:

“Porque João, na verdade, batizou com água, mas vós sereis batizados com o Espírito Santo, não muito depois destes dias.” (At 1:5)