JESUS não nasceu em 25 de Dezembro

Comemorar essa festa pagã com o Nome de JESUS é uma blasfêmia, um ultraje a divindade de Cristo. Festa essa onde cada um busca seu interesse, muito longe de adorar verdadeiramente ao Deus vivo.  Veja porquê:

 

Ao contrário dos brasileiros que se programam para viajar no final do ano para aproveitar as férias de verão, os moradores do hemisfério norte começam a se recolher em suas casas, pois é inverno e o frio começa a ficar cada vez mais intenso e também o período de sol por dia fica mais curto. Em Israel, nesta época do ano, a temperatura média oscila entre 8° e 12° C, e em algumas regiões do país pode ser até mais baixa e nevar durante a madrugada.

 

Vários indícios apontam que tanto 25 de dezembro comemorado pelos católicos romanos, como 7 de janeiro dos católicos ortodoxos são datas falsas. Questione os itens a seguir:

 

1. O imperador César Augusto teria ordenado a população a se deslocar longas distâncias, logo durante o inverno?

“Naqueles dias foi publicado um decreto de César Augusto, convocando toda a população do império para recensear-se.”  (Lc 2:1)

 

2. Maria que estava no final da gravidez, teria viajado com José, da Galileia a Belém, cerca de 160 km, a pé ou montados em algum animal durante o inverno?

 

“Todos iam alistar-se, cada um à sua própria cidade.” (Lc 2:3)

 

3. Os magos do Oriente teriam viajado enfrentando baixas temperaturas?

“Tendo Jesus nascido em Belém da Judeia, em dias de Herodes, eis que vieram uns magos do Oriente a Jerusalém.” (Mt 2:1)

 

4. Lucas nos relata que naquela mesma região onde nascera o nosso Senhor, havia pastores que viviam no campo guardando o seu rebanho durante a madrugada (cf. Lc 2:8). Seria possível os pastores estarem cuidando do seu rebanho a céu aberto durante as noites frias e chuvosas do inverno?

“[…] no dia vinte do mês nono, todo o povo se assentou na praça da Casa de Deus, tremendo por causa desta coisa e por causa das grandes chuvas.” (Ed 10:9)

 

Ora, o nono mês é o de Kislev (Quisleu – cf. Zc 7:1), e corresponde ao final do mês de dezembro e começo de janeiro. Nesta época do ano em Israel faz bastante frio, e o clima úmido favorece muita chuva e neve.

“Porém o povo é muito, e, sendo tempo de grandes chuvas, não podemos estar aqui de fora; […]” (Ed 10:13)

 

O nono mês no hemisfério norte é inverno:

“O rei estava assentado na casa de inverno, pelo nono mês, e diante dele estava um braseiro aceso.” (Jr 36:22)

 

Com um pouco de bom senso, chegamos a conclusão de que o nascimento do Senhor JESUS não ocorreu nesta época do ano. Na verdade, estas datas foram fixadas pela igreja católica. Se não somos católicos, não há porque seguirmos doutrinas e tradições inventadas por eles!

 

Na Bíblia temos várias profecias e relatos de que o Senhor JESUS, de fato, nasceu, porém, pouquíssimas referências à data deste acontecimento. Mas, com base na concepção e nascimento de João Batista, podemos chegar ao período mais provável para o nascimento do Senhor:

 

Isabel, mãe de João Batista, estava em seu sexto mês de gravidez quando JESUS foi concebido pelo Espírito Santo (Lc 1: 24-36). Com base nesta informação, podemos determinar o período aproximado do ano quando o nosso Senhor nasceu, desde que saibamos quando João nasceu.

 

Turno de Abias

No Primeiro Livro das Crônicas 23 e 24, está escrito que Davi já era velho e constituiu Salomão, seu filho, rei sobre Israel em seu lugar.

 

Naqueles tempos, Davi separou os descendentes de Levi, da idade de vinte anos para cima, para servirem aos filhos de Arão no ministério da casa do Senhor, nos átrios e nas câmaras, e na purificação de todas as coisas sagradas, e na obra do ministério da casa de Deus […] (cf. I Crônicas 23:27 a 32). Em seguida, Davi sorteou dos descendentes de Arão, vinte e quatro turnos para o sacerdócio (ICr 24).

“Saiu a primeira sorte a Jeoiaribe; a segunda, a Jedaías; […] a oitava, a Abias […]. O ofício destes no seu ministério era entrar na Casa do SENHOR, segundo a maneira estabelecida por Arão, seu pai, como o SENHOR, Deus de Israel, lhe ordenara.” (ICr 24:7-25)

Veja: Calendário Judaico

 

nissanO calendário judaico é lunar e originou com a primeira Páscoa, quando os filhos de Israel se preparavam para deixar o Egito. O calendário judaico começa com o mês de Abibe, também chamado Nisan, que corresponde aproximadamente* a terceira semana do mês de março no calendário universal.

*Aproximadamente, pois o calendário judaico lunar é variável em relação ao calendário universal.

 

“Disse o SENHOR a Moisés e a Arão na terra do Egito: Este mês será o principal dos meses; será o primeiro mês do ano.” (Êx 12:1-2)

 

“[…] Lembrai-vos deste mesmo dia, em que saístes do Egito […]. Hoje, mês de abibe, estais saindo.” (Êx 13:3-4)

 

Passado quase um milênio, já nos tempos do Novo Testamento, o Evangelho Segundo Lucas nos informa que  Zacarias, o pai de João, o Batista, era um sacerdote que servia no templo em Jerusalém durante o turno de Abias.

“Nos dias de Herodes, rei da Judeia, houve um sacerdote chamado Zacarias, do turno de Abias. Sua mulher era das filhas de Arão e se chamava Isabel.” (Lc 1: 5)

 

Foi durante este tempo de serviço do templo que Zacarias soube que ele e sua esposa Isabel teriam um filho (Lc 1:8-13). Depois que Zacarias completou seu ministério, voltou para casa, e Isabel concebeu (Lc 1:23-24), isto é, já no mês de Sivan ou Kislev. Cada sacerdote servia no templo por uma semana, havendo troca de turno aos sábados (cf. 2Cr 23:4 e 8), e assim, o sacerdote servia duas vezes ao ano no templo no intervalo de seis meses. Assim, podemos dizer que Abias e Zacarias serviam nos meses de maio e de novembro. Portanto a concepção de João ocorreu entre os meses de maio/junho ou de novembro/dezembro. A adição de nove meses nos leva entre os meses de fevereiro/março ou de agosto/setembro como os momentos mais prováveis para o nascimento de João. Adicionando mais seis meses (a diferença de idades entre João e JESUS – Lc 1:26) nos leva a datas entre agosto/setembro ou fevereiro/março como mais prováveis para o nascimento do Senhor. 

 

Por motivos já mencionados acima, vamos desconsiderar o período de fevereiro e março para o nascimento do Senhor JESUS, e consequentemente o de agosto e setembro para João; então, teremos os meses de agosto/setembro para o nascimento de JESUS e fevereiro/março para João, o Batista.

 

Provável época do nascimento de JESUS Cristo = agosto/setembro

 

O que vale é a intenção?

Se o que vale é a intenção, qual a utilidade das Escrituras Sagradas? A falta de seriedade e compromisso com a Palavra de Deus abre brechas para o inimigo; e coisas aparentemente inofensivas poderão trazer grandes prejuízos à fé. Na verdade, o 25 de Dezembro comemorado como o nascimento do Senhor, não passa de feriado pagão introduzido no cristianismo. É traição ao Evangelho.
 
“E não se ocupem com fábulas judaicas, nem com mandamentos de homens desviados da verdade.”  (Tt 1:14)

 

“[…] São homens de todo corrompidos na mente, réprobos quanto à fé.” (2Tm 3:8)

 

Comemoremos o acontecimento; não as datas falsas

Quando o anjo do Senhor apareceu aos pastores que guardavam o rebanho, disse:
“[…] Não temais; eis aqui vos trago boa-nova de grande alegria, que o será para todo o povo: é que hoje vos nasceu, na cidade de Davi, o Salvador, que é Cristo, o Senhor.” (Lc 2:10-11)

 

A boa-nova referida pelo anjo é o evangelho, e o motivo de grande alegria é:
  1. Deus, o Único Senhor (Dt 6:4) nos nasceu, vindo em carne (Jo 1:14);
  2. O Único Salvador (Is 45:21) veio ao mundo para que todos os que Nele creem possam ser salvos;
  3. O Senhor que é o Primeiro e o Último (Is 44:6) veio para redimir os nossos pecados (Ap 1:17-18);
  4. Quem crer e for batizado será salvo (Mc 16:16);
  5. Derramamento do Espírito Santo (At 2:1-12).
 
“Olhai para mim e sede salvos, vós, todos os limites da terra; porque eu sou Deus, e não há outro.” (Is 45:22)