“Honra teu pai e tua mãe”

O apóstolo Paulo nos ensina que este é o primeiro mandamento com promessa (Ef 6:2). Vamos conferir:

Em Deuteronômio 5:16, está escrito: “Honra a teu pai e a tua mãe, como o SENHOR, teu Deus te ordenou, para que se prolonguem os teus dias e para que te vá bem na terra que o SENHOR, teu Deus, te dá.”

Nesse versículo há duas promessas maravilhosas:

  1. para que se prolonguem os teus dias e
  2. para que te vá bem na terra que o SENHOR, teu Deus, te dá.”

 

Honra é conjunto de boas ações e qualidades como respeito, reverência, valorização, amor, etc., que fazem com que alguém seja tratado com dignidade. O compromisso de honrarmos os nossos pais é muito sério e importante, por isso, faz parte dos Dez Mandamentos.

 

Na época do Antigo Testamento, a não observância deste mandamento poderia levar o réu à pena capital, como está registrado em Êx 21:15 e 17 e Lv 20:9. Já, o rei Salomão advertindo o desrespeito aos progenitores, escreveu:

“Os olhos que zombam do pai, ou desprezam a obediência à mãe, corvos do ribeiro os arrancarão e os filhotes da águia os comerão” (Pv 30:17)

Confira também: Provérbios 1:8; 13:1; 23:22

 

O Novo Testamento continua nos ensinando que devemos honrar os nossos pais, pois assim se faz a justiça (Ef 6:1-3). É necessário observarmos que Paulo diz “no Senhor”, deixando claro que o dever de honrarmos primeiramente o PAI Celestial prevalece (cf. Gl 1:10).

“Filhos, obedecei a vossos pais no Senhor, pois isto é justo.” (Ef 6:1)

 

Isto significa que, mesmo que tenhamos pai e/ou mãe pecadores, devemos honrá-los, porém, se este for o caso, não devemos imitá-los para não descontentarmos o nosso PAI Celestial (cf. Cl 3:20). Observe os seguintes versículos:

“[…] Nossos pais herdaram só mentiras e coisas vãs, em que não há proveito. Acaso, fará o homem para si deuses que, de fato, não são deuses?” (Jr 16:19)

 

“[…] Não andeis nos estatutos de vossos pais, nem guardeis os seus juízos, nem vos contamineis com os seus ídolos. Eu sou o SENHOR, vosso Deus; andai nos meus estatutos, e guardai os meus juízos, e praticai-os” (Ez 20:18-19)

 

Certamente, na família que não honra os seus pais, reinará todo tipo de conflito e desgosto, resultando em divisão e destruição do lar (cf. Gn 9:20-29). A cerca destes desrespeitosos, foi profetizado:

“E, por haverem desprezado o conhecimento de Deus, o próprio Deus os entregou a uma disposição mental reprovável, para praticarem coisas inconvenientes, cheios de injustiça, malícia, avareza, e maldade; possuídos de inveja, contenda, dolo e malignidade; sendo difamadores, caluniadores, aborrecidos de Deus, insolentes, soberbos, presunçosos, inventores de males, desobediente aos pais” (Rm 1:28-30)

 

 Tais características são também sinais dos tempos:

“Sabe, porém, isto: nos últimos dias, sobrevirão tempos difíceis, pois os homens serão egoístas, avarentos, jactanciosos, arrogantes, blasfemadores, desobediente aos pais […]” (2 Tm 3:1-2)

 

Conclusão:

Sejamos como Moisés, Samuel, Davi, Timóteo, e muitos outros homens e mulheres abençoados que trilharam as suas vidas obedecendo os mandamentos do SENHOR. Honremos os pais e sejamos honrados pelos filhos.

 

Esta doutrina, na verdade, ensina a submissão hierárquica, seja familiar, civil ou eclesiástica (na igreja).

  • Hb 13:17
  • Rm 13:1