Gólgota

Gólgota (hebraico); Calvário (latim); ou Kranion (grego) é apontado nos quatro evangelhos como lugar onde o nosso Senhor Jesus foi crucificado.

 

Em 1849, devido a uma certa formação rochosa que se cidade antiga de Jerusalém, o local hoje conhecido como The Garden Tomb (O Túmulo do Jardim) foi apontado pelos arqueólogos como local da crucificação de Jesus. No entanto, até hoje os arqueólogos não obtiveram nenhuma prova concreta para sustentar essa afirmação, e uma certa dúvida paira sobre a legitimidade do lugar.

 

“E, chegando a um lugar chamado Gólgota,

que significa Lugar da Caveira,

deram-lhe a beber vinho com fel;

mas ele, provando-o, não o quis beber.”

(Mt 27:33-34)

 

“E levaram Jesus para o Gólgota,

que quer dizer Lugar da Caveira.” (Mc 15:22)



“Quando chegaram ao lugar chamado Calvário,

ali o crucificaram,

bem como aos malfeitores, um à direita,

outro à esquerda.” (Lc 23:33)

 

Tudo quanto podemos saber através da Bíblia sobre o local, é que ficava fora da cidade antiga de Jerusalém, provavelmente não longe de um dos portões da cidade; havendo um jardim nas proximidades, onde havia um túmulo.

 

“Perguntou-lhe Jesus: Mulher, por que choras?

A quem procuras?

Ela, supondo ser ele o jardineiro, respondeu:

Senhor, se tu o tiraste, dize-me onde o puseste,

e eu o levarei. (Jo 20:15)

 

Suposto Sepulcro do Senhor

Para se chegar ao The Tomb Garden, é só sair da Cidade Antiga (Old City) pelo Portão de Damasco, atravessar a avenida e caminhar cerca de 150m à direita e já se pode ver a estranha formação rochosa, bem atrás do terminal de ônibus urbano… e pensar que há dois mil anos, ali era lugar de execução! 

 

 

“Então, Pilatos o entregou para ser

crucificado. Tomaram eles, pois, a Jesus;

e ele próprio, carregando a sua cruz,

saiu para o lugar chamado Calvário,

Gólgota em hebraico, onde crucificaram

e com ele outros dois, um de cada lado,

e Jesus no meio.” (Jo 19:16-18)

 

Embora a arqueologia não possa comprovar com exatidão os locais descritos na Bíblia, cremos na narração bíblica, bem como na sua autenticidade. Duvidamos dos locais apontados pelos homens, mas não da palavra de Deus. Amém!