Getsêmani

Getsêmani (do aramaico gath sehmen, ‘um lugar de azeite’) é um jardim situado na extremidade oriental de Jerusalém, já fora de suas antigas muralhas. É passagem obrigatória para quem sai dIMG_7644o Portão do Leão (Lion’s Gate) e se dirige para o monte das Oliveiras.

 

Embora muito antigas e com seus espessos troncos, as oliveiras de Getsêmani não datam da época do nosso Senhor, porque o general Tito havia ordenado a derrubada de todas elas ao invadir a Cidade Santa em 70 d.C.. As oliveiras atuais foram replantadas em meados do Século IV.

 

Após a Sua última ceia com os discípulos, o Senhor JESUS foi para o monte das Oliveiras (Mt 26:30), e de lá, seguiu para o Getsêmani (Mt 26:36). As narrações dos evangelhos mostram que Getsêmani foi um lugar bastante frequentado pelo Senhor e Seus discípulos (Lc 22:39), o qual se tornou o local da agonia de JESUS, da traição de Judas, e do aprisionamento do Senhor (Mc 14:32-52). Embora entre colchetes, o Evangelho Segundo Lucas descreve a profunda angústia do Senhor no Getsêmani, e o Seu suor tornando-se como gotas de sangue e caindo sobre a terra. (Lc 22:43-44).

“Tendo Jesus dito estas palavras, saiu juntamente com seus discípulos para o outro lado do ribeiro Cedrom, onde havia um jardim; e aí entrou com eles. E Judas, o traidor, também conhecia aquele lugar, porque Jesus ali estivera muitas vezes com seus discípulos.” (Jo 18:1-2)

 

Getsêmani foi para o Senhor, um lugar de:

  • grande agonia (Mt 26:37; Mc 14:34);
  • oração (Mt 26:39, 42, 44);
  • conforto (Lc 22:43);
  • abnegação (Mt 26:39, 42);
  • vigiar (Mt 26:38, 40, 43);
  • traição (Mt 26:46, 47).

Getsêmani,  imagem de satélite – Veja no: Google maps