Finados – Que feriado é esse?

O Dia dos Finados, também chamado Dia dos Defuntos ou Dia dos Mortos é uma tradição católica baseada no livro apócrifo de Macabeus, onde um judeu chamado Judas Macabeus recolhe os corpos dos seus companheiros mortos numa batalha:

“No dia seguinte, Judas e seus companheiros foram tirar os corpos dos mortos, como era necessário, para depô-los na sepultura ao lado de seus pais.” (2 Macabeus 12:39)

 

“Em seguida, fez uma coleta, enviando a Jerusalém cerca de dez mil dracmas, para que se oferecesse um sacrifício pelos pecados: belo e santo modo de agir, decorrente de sua crença na ressurreição, porque se ele não julgasse que os mortos ressuscitariam, teria sido vão e supérfluo rezar por eles” (2Macabeus 12:43-46)

 

Purgatório

O catolicismo ensina que o paraíso está preparado para as almas dos salvos; o inferno para os condenados; e um terceiro lugar chamado purgatório, supostamente reservado para almas que passam por um castigo temporário, onde poderão ou não ser purificadas para herdar o Reino dos Céus, dependendo de missas realizadas; bem como súplicas a favor dos mortos pelos entes vivos.

 

Missa pelos mortos

Ao verificarmos a história do catolicismo, constatamos que durante a Inquisição, vendiam-se Indulgências (perdão dos pecados) à população. A missa pelos mortos foi instituída assim que foi inventada a doutrina do Purgatório. Digo inventada, porque tal doutrina não existe nas Escrituras Sagradas.

 

A galinha dos ovos de ouro

Na verdade, esta manobra nada mais era do que uma maneira de arrecadar verbas para o já corrompido sistema religioso da época. Não demoraram muito para estender este falso ato de misericórdia ao mundo dos mortos, inventando o tal de Purgatório. Assim, os sacerdotes passaram a cobrar dos familiares por cada missa celebrada a favor dos seus mortos.

 

Mais tarde estabeleceram regras para continuarem enchendo os seus cofres: Missa de corpo presente; Missa do Sétimo Dia, Missa de 1 Mês, de 1 Ano, etc. O curioso é que a igreja nunca informa a família se o falecido deixou ou não o Purgatório.

 

“Assim que uma moeda tilinta no cofre, uma alma sai do purgatório.”

 

(frase bastante usada pelos comerciantes de indulgências da Idade Média)

 

Falando nisto, você já percebeu que eles fazem missa até pelos seus próprios bispos e padres?

 

Acreditar na existência de Purgatório é invalidar a obra da Cruz do Senhor JESUS

Fazer missa ou suplicar pelos mortos, é por em dúvida a poderosa promessa da Salvação do Senhor. Se Ele disse “Quem crer e for batizado será salvo; quem, porém, não crer será condenado” (Mc 16:16), não há porque achar que alguém está no Purgatório. É como dizer que a obra na Cruz não foi o suficiente para salvar ou condenar, deixando a alma no meio do caminho.

 

Há ainda, aqueles que argumentam que a pessoa que morreu sem boas obras deve passar pelo purgatório. Mas veja o que diz a Palavra:
“Sabendo, contudo, que o homem não é justificado por obras da lei, e sim mediante a fé em Cristo Jesus […] pois, por obras da lei, ninguém será justificado.” (Gl 2:16)

 

No Século VII, o então Papa Bonifácio IV definiu o Dia dos Finados para um dia depois do Dia de Todos os Santos (01 de Novembro), também estabelecido pelos católicos.

 

Visita ao sepulcro

Nos Evangelhos constatamos que os discípulos e as mulheres foram visitar o sepulcro do Senhor JESUS. O sepulcro é lugar digno de honra. Devemos sim visitar o lugar onde estão sepultados os nossos mortos, porém nunca para invocá-los ou interceder por eles; nem pensarmos que os nossos entes queridos estão repousando no cemitério.
“[…] Ao Senhor, teu Deus, adorarás, e só a ele darás culto.” (Mt 4:10)

 

O Cemitério é lugar onde se guardam os restos mortais até o dia da ressurreição. Jamais devemos pensar que o jazigo é morada dos nossos amados – portanto, na verdade, neste sentido, não há necessidade de irmos ao cemitério.
“E o pó volte à terra, como o era, e o espírito volte a Deus, que o deu.” (Ec 12:7)

 

Conclusão

Deixo claro que não somos contra os falecidos, nem visita aos seus sepulcros; mas somos definitivamente contra o sistema enganoso maliciosamente armado contra o Evangelho do Senhor JESUS Cristo.

 

Conselho

Não precisamos visitar o sepulcro dos nossos entes queridos justamente no dia estabelecido pelos homens que não conhecem a Deus. Não precisamos de missas, velas, incensos, nem de flores. tais coisas são para quem está perdido nas trevas; e, enquanto as flores, um detalhe que os cristãos poderiam desprezar, se quiser, por ser simplesmente uma questão cultural. Os judeus, por exemplo, jamais usam flores em funerais, alegando que elas representam alegria, tornando-se uma ofensa para a ocasião.
“A favor dos vivos se consultarão os mortos?” (Is 8:19)