Fábulas

“Porque não vos demos a conhecer o poder e a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo seguindo fábulas engenhosamente inventadas […]” (2Pe 1:16)

 

A palavra fábula deriva da transliteração do termo latino fari, que significa falar. Diferentemente dos testemunhos e parábolas, as fábulas são, normalmente, empregadas para descrever uma história pitoresca, ainda que fictícia, frequentemente satírica, contada para impressionar o ouvinte com um pouco de realidade, ainda que nem sempre bem recebida.

“Nem se ocupem com fábulas e genealogias sem fim, que, antes, promovem discussões do que o serviço de Deus, na fé.” (1Tm 1:4)

 

No Novo Testamento, a palavra fábula foi traduzida do termo grego mytos; daí, a palavra mitologia (conjunto de fábulas). Esta palavra é usada para descrever uma narrativa que não é fabulosa somente no sentido de ser fictícia, mas também porque é enganosa, visto ter sido inventada por um mestre falso com o propósito de iludir aqueles que a ouvem.

“E não se ocupem com fábulas judaicas, nem com mandamentos de homens desviados da verdade.” (Tt 1:14)

 

É um grande engano pensar em conhecer a Deus através de fábulas humanas, mesmo que engenhosamente criadas; tais coisas não servem para nada; são obras dos ímpios por não estarem baseadas na revelação do Espírito Santo. Essas histórias fantasiosas, possivelmente deram origem à criação dos primeiros livros apócrifos.

“Mas rejeita as fábulas profanas e de velhas caducas […]” (1Tm 4:7)

 

Atualmente, muitos estão se desviando do evangelho puro e verdadeiro e voltando às fábulas. O verdadeiro evangelho nos revela que o Senhor JESUS Cristo morreu pelos nossos pecados e ressuscitou para nossa justificação (cf. Rm 4:25). Paulo nos alerta dizendo:

“Irmãos, venho lembrar-vos o evangelho que vos anunciei, o qual recebestes e no qual ainda perseverais; por ele também sois salvos,se retiverdes a palavra tal como vo-la preguei, a menos que tenhais crido em vão. Antes de tudo, vos entreguei o que também recebi: que Cristo morreu pelos nossos pecados,segundo as Escrituras, e que foi sepultado e ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras.” (1Co 15:1-4)

 

Veja: A história de Jonas é verídica ou fictícia?