Evódia e Síntique

Não há referências à essas duas mulheres nas epístolas de Paulo, senão em Filipenses 4:2 e 3. São apenas dois versículos, mas é possível entender o motivo da preocupação do apóstolo:

briga

“[…] Peço que as auxilies, pois juntas se esforçaram comigo no evangelho […]” (Vers. 3)

 

Esse Versículo indica que ambas eram crentes fervorosas, que no passado, cooperaram com Paulo nas obras do Senhor. “Juntas” significa que Evódia e Síntique eram amigas na fé, e que com grande gozo serviam o evangelho do Senhor, caso contrário, teriam se empenhadas separadamente. No entanto, parece que algo pessoal começou a atrapalhar o relacionamento mútuo e, consequentemente, os seus desempenhos na fé. Em Fp 4:2, Paulo faz um apelo às duas para que “pensem concordemente”, e o mais importante, “no Senhor”.

“No Senhor”, porque cada pessoa tem o seu parecer, porém, os que agora andam no Caminho devem obedecer não mais a própria vontade, e sim a de Jesus Cristo, o nosso Senhor. E isso concorda com as palavras do primeiro capítulo da mesma epístola que diz:

“Vivei, acima de tudo, por modo digno do evangelho de Cristo, para que, ou indo ver-vos  ou estando ausente, ouça, no tocante a vós outros, que estais firmes em um só espírito, como uma só alma, lutando juntos pela fé evangélica.” (Fp 1:27)

 

“É Vódia” &” Sinti que”

Para haver contendas na igreja, basta haver desatenção à Palavra. Talvez a Evódia fosse aquela pessoa que só enxergava o defeito dos outros: -“é Vódia”;  é Maria; é Paulo, é igreja… Por outro lado, a Síntique talvez tenha sido a representante  daqueles irmãos que deixam a Palavra em segundo plano e caminha pelo seu próprio sentimento: -“Senti que” não posso ficar quieta nessas situações; “senti que” deveria me defender…

Casos como de Evódia e Síntique, em que os membros da igreja começaram a perder a visão cristã para afundarem no lamaçal do pecado,  aconteceram em muitas comunidades cristãs como em Corinto e Roma:

“Porquanto, havendo entre vós ciúmes e contentas, não é assim que sois carnais andais segundo o homem?” (1Co 3:3)

irmãos

Desavenças entre os da fé tornam mancha na igreja e atrapalham o evangelho, dando maus exemplos e podendo até destruir o que veio sendo edificado. Os da fé são irmãos e amigos, e não inimigos. Quando os amigos erram, devemos admoestá-los a fim ganhá-los para o Senhor, deixando as disputas pessoais. Em muitos versículos bíblicos vemos que o Espírito Santo enviou os homens para pregação (por exemplo At 8:29 – Filipe e o eunuco). Já em ICo 3:1-9 vemos que as dissensões demonstram a falta de espiritualidade; levando-nos a concluir que aquele que permanece na igreja, mas não se empenha nas obras espirituais, fica ocioso e passa a pender para a carne. Quem sai prejudicado por isso é a igreja do Senhor, pois muitas vezes, as intrigas internas terminam em algo como: “- Eu não vou mais à igreja”; ou “- Se o fulano for, eu não vou”.

Se permanecermos unidos no Senhor, certamente seremos mais úteis.

“Consolai-vos, pois, uns aos outros e edificai-vos reciprocamente, como também estais fazendo.” (1Ts 5:11)

 

“Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai celeste vos perdoará” (Mt 6:14)

 

O acontecimento infeliz das duas irmãs em Filipos nos alerta para o desempenho cristão em todas as igrejas, inclusive, nas da atualidade.  Que sejamos instrumentos para manter a paz e a harmonia  “cada um considerando o outro superior a si mesmo” (Fp 2:3), e tendo “o mesmo sentimento que houve em Cristo Jesus” (Fp 2:5).

 

“Não vos torneis causa de tropeço nem para judeus, nem para gentios, nem tampouco para a igreja de Deus, assim como também eu procuro, em tudo, ser agradável a todos, não buscando o meu próprio interesse, mas o de muitos, para que sejam salvos.” (1Co 10: 32-33)

 

Agora, conhecendo um dos motivos pelo qual Paulo escreveu aos filipenses, convido você a ler toda a Epístola aos Filipenses. Boa leitura, e que o Espírito Santo lhe ilumine.

“Bem-aventurados os pacificadores, porque serão chamados filhos de Deus.” (Mt 5:9)