Embora muitos pensem que a doutrina da trindade é bíblica, na verdade, não é. Ela é uma falsa doutrina copiada dos povos pagãos e introduzida no cristianismo pela igreja romana. Desde os tempos remotos, muitos povos idólatras já eram adeptos a ideia trinitária, porém, a Palavra do SENHOR diz:
“Quando entrares na terra que o SENHOR, teu Deus, te der, não aprenderás a fazer conforme as abominações daqueles povos.” (Dt 18:9)
e, ainda:
“Ouve, Israel, o SENHOR, nosso Deus, é o único SENHOR.” (Dt 6:4)

 

Veja a seguir de onde vem a doutrina da trindade:


Trindade egípcia formada por
Osíris, Ísis e Hórus

O homem que os católicos chamam de o primeiro imperador cristão é o Constantino (272-337d.C). Na verdade, este imperador romano usou a astúcia com único intuito de unir o seu vasto domínio; e para isso, dizia ter se convertido ao cristianismo para obter o apoio dos cristãos; no entanto, não se absteve de renunciar de suas práticas pagãs, para também garantir o poder e apoio dos não cristãos. Como se nota, a manobra de Constantino foi puramente política; e a igreja que já estava cansada de tanta perseguição, acabou por aceitar o Constantino como o seu chefe.


Trindade hindu Trimurti:
Brahma, Visnu e Shiva – 3 em 1

A filosofia greco-romana era mais aceitável na Europa do que o Cristianismo; por isso, para que houvesse maior aceitação no Império, rapidamente, Constantino tratou de juntar o Cristianismo com as religiões pagãs e “mistificá-lo”, resultando naquilo que ainda hoje ouvimos de muitas pessoas: Deus é um só, não importa a religião.

Os romanos eram devotos a Mitra, Apolo e Cibele. O primeiro foi substituído por Pai Criador; o segundo pelo Cristo; e a terceira pela Virgem Maria. Esta prática já era conhecida desde os tempos da Babilônia, quando Nabucodonosor mudou os nomes hebraicos que bendizem a Deus, por nomes babilônicos que bendizem a deuses pagãos (Dn 1:7). Mais tarde, substituiu a Virgem pelo que hoje chamam de Terceira Pessoa da Trindade.


Aproveitando a popularidade crescente do Cristianismo, Constantino ordenou a substituição da Festa de Mitra que ocorria em 25 de dezembro pela Festa de Natal. Então, no Concílio de Nicéia (325 d.C), esses e outros assuntos foram oficializados como doutrinas cristãs.

Os criadores e mantenedores dessas doutrinas corrompidas são comparados à Babilônia; e em Apocalipse 18:4, o Senhor diz:

“[…] Retirai-vos dela, povo meu, para não serdes cúmplices em seus pecados e para não participardes dos seus flagelos.”


Trindade budista

A igreja primitiva nunca teve dúvidas do que diz a respeito da unicidade de Deus. Uma vez sabendo que são doutrinas profanas criadas por homens sem o Espírito de Deus, ninguém deve hesitar em abandoná-las. O Senhor já dizia a respeito dos filósofos do mundo:

“E em vão me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos de homens.” (Mc 7:7)

 

Por isso, não basta apenas se dizer evangélico. A verdadeira igreja não pode andar na doutrina mundana. Antes, ela deve voltar ao primeiro amor ao Deus único.