Como Saul perdeu a sua bênção

“[…] Eis que o obedecer é melhor do que o sacrificar, e o atender, melhor do que a gordura de carneiros. Porque a rebelião é como o pecado de feitiçaria, e a obstinação é como a idolatria e culto a ídolos do lar […]” (1Sm 15:22-23)

 

Saul foi o primeiro rei de Israel. Escolhido pelo próprio SENHOR Deus para reinar em Israel, teve tudo para ser um grande e abençoado rei, porém ele cometeu sucessivos pecados que o afastou definitivamente da bênção de Deus, fazendo-o precipitar na desgraça e terminando o seu reinado de forma trágica e humilhante (cf. Dt 28:15-68).

 

O Primeiro Livro de Samuel registra pelo menos três notáveis pecados que Saul cometeu:

  • 1) 1Sm 13:8-14 – Saul oferece sacrifícios – Este aparente ato de fé, na verdade, foi um grave erro ministerial. Muitas pessoas podem não perceber o erro que Saul cometeu neste capítulo. Não há nada de errado em um crente oferecer sacrifícios a Deus, mas o que devemos entender aqui, é que naquele momento e local, o encarregado do serviço sagrado era o sacerdote-profeta-juiz Samuel, escolhido e ungido por Deus para tal finalidade. Saul passou para trás o ungido do SENHOR para o serviço sacerdotal, consequentemente, passou para trás o próprio Deus. Situações semelhantes podemos observar em Nm 12:1-16 quando Arão e Miriã se levantaram contra Moisés e o SENHOR a feriu; e quando Uzá, que não era levita estendeu a mão para segurar a arca da aliança e foi eliminado por Deus. Esse tipo de intrometimento é típico do Satanás que quis (e ainda quer) usurpar o trono de Deus.

 

  • 2) 1Sm 15:1-35 – Saul desobedece a Palavra de Deus – Quando o homem se torna soberbo, deixa de depender totalmente de Deus (veja Dt 8:3) e começa a agir segundo o seu próprio parecer, ignorando as ordens divinas. Saul achou que tinha ideias melhores do que as do SENHOR (como pode isso?), por isso, mesmo conhecendo a ordem divina, não a levou até o fim. Ainda hoje, há pessoas como Saul em todos os lugares: servem a Deus pela metade neglicenciando os mandamentos recebidos.

“Porque, andando na carne, não militamos segundo a carne. Porque as armas da nossa milícia não são carnais, mas sim poderosas em Deus para destruição das fortalezas; destruindo os conselhos, e toda a altivez que se levanta contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo o entendimento à obediência de Cristo; e estando prontos para vingar toda a desobediência, quando for cumprida a vossa obediência.” (2 Co 10:3-6)

 

  • 3) 1Sm 28:1-25 – Saul consulta uma médium e jura indevidamente pelo SENHOR – Todos sabemos que o SENHOR, nosso Deus abomina qualquer envolvimento do crente com o ocultismo, bem como a sua prática (Dt 18:9-14); a própria médium de En-Dor sabia disso (cf. 1Sm 28:9). Neste estágio, parece que Saul não se importa mais em ser fiel a Deus por estar já está bem longe Dele. Saul ora, mas Deus não responde mais (1Sm 28:6) porque a oração do pecador não é aceito pelo SENHOR (Pv 15:8; 21:27); então, chegando no fundo do poço, ele busca o apoio no mundo e o que está nele, para a sua própria ruína.

O que desvia os seus ouvidos de ouvir a lei, até a sua oração será abominável. (Pv 28:9)

 

Homem espiritual  X  homem carnal

Saul foi um homem escolhido por Deus (1Sm 10:17-27), e cheio do Espírito Santo; até chegou a profetizar (1Sm 10:9-13), mas devido a dureza de coração que o empurrou para uma sequência de pecados, o SENHOR o rejeitou como rei (1Sm 16:1).

 

Etimologicamente, Saul e Saulo tem mesmo significado: pedido (de Deus). As palavras da Bíblia nos ensinam uma lição objetiva sobre a diferença essencial que existe entre o homem espiritual e carnal: é interessante notar que o SENHOR usou o homônimo de Saul no Novo Testamento (Saulo) para apontar as gritantes diferenças entre o espiritual e carnal. Veja por exemplo, 1º Coríntios, Capítulo 3.

 

“Segundo a graça de Deus que me foi dada, lancei o fundamento como prudente construtor; e outro edifica sobre ele. Porém cada um veja como edifica.” (1Co 3:10)

 

Saul perdeu a bênção de Deus:

  • e perdeu o seu ministério (1Sm 13:14; 1Sm 31:17);
  • e perdeu a fé no SENHOR (1Sm 17:33);
  • e passou a não obedecer mais as palavras de Deus (1Sm 13:13; 15:11; 15:22);
  • porque apresentou argumentos humanos diante de Deus (1Sm 13:11; 15:20);
  • e pôs culpa nos outros (1Sm 13:11; 15:15);
  • e perdeu o privilégio de ter as suas orações respondidas (1Sm 9:19-20; 28:6);
  • e foi abandonado pelo Espírito Santo (1Sm 16:14);
  • por isso, não prosperou (1Sm 13:14; 15:28);
  • e perdeu também o domínio próprio, e vivia atormentado (1Sm 16:14; 20:21);
  • e colheu frustrações, portanto não dava mais glórias ao SENHOR (1Sm 18:8; 31:4);
  • e não temia a Deus (1Sm 19:11; 1Sm 28:7).

“Convertei-vos, pois, ó filhos de Israel, àquele de quem tanto vos afastastes.” (Is 31:6)

 

Incredulidade é a perversidade de coração que afasta o homem do verdadeiro Deus. Tomemos cuidado para não cairmos nesta armadilha que, se possível, pode enganar e endurecer até o coração dos próprios eleitos do Senhor (cf. Hb 3:12-19; Mt 24:24).

“Aquele, pois, que cuida estar em pé, veja que não caia.” (1Co 10:12)