Celebração de aniversário é bíblico?

Em quase todas as culturas, praticamente nada é tão universalmente celebrado quanto os aniversários natalícios: presentes, bolos, velas acesas, decorações e “parabéns a você”. Mas a celebração de aniversário é bíblica? Os cristãos podem festejar o aniversário de nascimento?

 

Nesta página, vamos estudar a origem das comemorações de aniversário, e não propriamente do aniversário – porque certamente, todos nós nascemos num determinado dia e cada um tem a própria data de nascimento. O Senhor deseja que todos tenham a vida em abundância (Jo 10:10), mas isto não significa que possamos usar e abusar da vida que o Criador nos deu.

 

É dever de todo cristão observar a doutrina do SENHOR, aprender e praticar os Seus mandamentos  e viver uma vida reta perante ELE,  afastando-se, assim, de práticas pagãs que se opõem às Palavras.

 

 

Comemorações de aniversários na Bíblia

Não há nenhuma declaração direta nas Escrituras condenando comemorações de aniversários, exceto uma menção no A.T. e outra no N.T. Observe que em cada uma destas celebrações de aniversários, algo terrível aconteceu:

 

A primeira descrição está em Gênesis: Deus deu a José o dom de interpretar sonhos. Quando José estava preso, seus companheiros de cela tiveram sonhos perturbadores. José deu a interpretação dos sonhos e segundo as suas palavras, tudo se sucedeu: o copeiro-chefe foi perdoado e libertado, porém, o padeiro foi condenado e enforcado. Essas foram as decisões tomadas pelo faraó e executadas no dia do seu aniversário (cf. Gn 40: 1-23).

 

A segunda descrição está no Novo Testamento: Herodes, o tetrarca, com relutância, ordenou a decapitação de João Batista (Mt 14: 3-11). Observe o versículo 6: “Ora, tendo chegado o dia natalício de Herodes…”. Durante a dança e a alegria em sua festa de aniversário, Herodes deixou-se levar e, eventualmente, fez uma promessa que ele mesmo não queria manter. Como resultado, um grande servo de Deus, João Batista, foi decapitado.

 

Parece que o homem tem tendência de se sentir especialmente importante e poderoso no seu dia natalício, achando que tudo lhe é permitido fazer. As pessoas comuns pensam ser príncipes e princesas, mesmo por um dia, e os reis e governadores pensam ser deuses. Os dois exemplos citados refletem comemorações de aniversário de homens mundanos, que influenciaram o costume de muitas pessoas na vida moderna.

 

 

Aniversário dos homens de Deus

Se a data de nascimento de um homem é importante para o SENHOR, certamente haveria registro dela em várias passagens bíblicas. Procure as datas de nascimento de alguns dos grandes homens de Deus – certamente você não irá achar na Bíblia.

 

  • Abraão é referido três vezes na Bíblia como “amigo” de Deus (2Cr 20:7, Is 41:8, Tg 2:23). Ele também é chamado de “pai de todos nós” (cf. Rm 4:16). Cristãos e judeus reconhecem que Abraão foi um grande homem de Deus, no entanto, a Bíblia não registra a data do seu nascimento;
  • Moisés foi referido como o homem mais manso na face da terra (cf. Nm 12:3). Muitos versículos descrevem esta figura da Bíblia e praticamente todos estão familiarizados com ele. A Bíblia relata seu nascimento, porém, não indica quando ele nasceu;
  • O rei Davi é chamado de “um homem segundo o meu próprio coração [de Deus]” (cf. At 13:21-22). Davi é citado em inúmeras passagens da Bíblia. Deus o usou para compor muitos dos Salmos. Concordamos que Davi foi um homem bastante amado por Deus, e ferramenta abençoada nas Suas mãos, porém, os profetas não fizeram questão de registrar o dia do seu nascimento.

 

Não há um versículo das Escrituras que descreva um que celebrou os nascimentos desses justos. De fato, a Bíblia está em silêncio nas datas exatas dos nascimentos de todos os servos fiéis de Deus: Abel, Noé, Jacó, Sara, Samuel, Jó, Ester, Isaías, Jeremias, Ezequiel, Pedro, Mateus, Paulo, Tiago e os demais apóstolos. Nem a data de nascimento do nosso Senhor JESUS Cristo é registrada na Bíblia Sagrada.

 

 

A Bíblia afirma que devemos lembrar a morte de Cristo

Pesquise qualquer enciclopédia respeitável e você descobrirá que o Natal já era celebrado há cerca de 4000 anos por adoradores de ídolos – pessoas que muitas vezes sacrificavam seus próprios filhos aos deuses pagãos no festival de solstício de inverno, isto é, no dia  25 de dezembro.

Veja: Sol invicto

 

As Escrituras Sagradas não registram a data exata em que o Senhor JESUS nasceu do ventre da mulher. Em nenhum lugar da Bíblia você encontrará relatos de que os discípulos e a igreja primitiva comemoraram o aniversário do Senhor. No entanto, nas Escrituras estão o mês e o dia exatos da morte de Cristo (Êx 12; Lv 23: 4-5; Nm 9:1-5; Mt 26:1-2; Jo 18:28; 1Co 5:7). O SENHOR Deus espera que todos os verdadeiros cristãos observem esse dia anualmente:

“[…] Pois também Cristo, nosso Cordeiro pascal, foi imolado. Por isso celebremos a festa […]” (1Co 5:7-8)

 

“Porque, todas as vezes que comerdes este pão e beberdes o cálice, anunciais a morte do Senhor, até que ele venha.” (1Co 11:26)

 

 

 

Dia de nascimento x dia de morte

A Bíblia registra exemplos negativos de celebrações de aniversário, ao mesmo tempo em que se silencia em celebrar, ou mesmo identificar, os aniversários de todos os servos fiéis de Deus – incluindo o do nosso Senhor JESUS Cristo.

 

Mas o que a Bíblia diz especificamente sobre seu dia de nascimento?

A maioria das pessoas pensa que o dia do nascimento é especial. Comemorá-lo parece um ato inocente e algo certo a fazer. No entanto, Salomão foi inspirado a escrever:

“Melhor é a boa fama do que o unguento precioso, e o dia da morte, melhor do que o dia do nascimento.” (Ec 7:1)

 

Jó e Jeremias também amaldiçoou o dia do seu próprio nascimento:

  • “Depois disto, passou Jó a falar e amaldiçoou o seu dia natalício” (Jó 3:1)
  • Maldito o dia em que nasci! Não seja bendito o dia em que me deu à luz minha mãe!” (Jr 20:14);
  • “Por que saí do ventre materno tão-somente para ver trabalho e tristeza e para que se consumam de vergonha os meus dias?” (Jr 20:18).

 

Todas estas declarações são impressionantes. Os servos de Deus nos mostram que o dia de partir deste mundo é melhor do que o dia da nossa chegada. A data de nascimento está longe de ser um dia especial.

Veja: Aniversário

 

Salomão escreveu a respeito da morte:

“Como saiu do ventre de sua mãe, assim nu votará, indo-se como veio; e do seu trabalho nada poderá levar consigo. Também isto é grave mal: precisamente como veio, assim ele vai; e que proveito lhe vem de haver trabalhado para o vento?” (Ec 5:15-16)

 

Paulo disse:

“[…] O salário do pecado é a morte […]” (Rm 6:23)

 

Apesar de tudo, a Bíblia continua afirmando que o dia da morte é melhor do que o dia do nascimento: A morte é a pena pelo pecado. O pecado leva à morte, e este, certamente, não é um evento a aguardar.

 

 

Mas há esperança!

O Senhor JESUS Cristo está retornando ao mundo para governar e colocar todas as coisas, inclusive seus inimigos, sob seus pés. Isso inclui o inimigo chamado morte:

“Porque convém que ele reine até que haja posto todos os inimigos debaixo dos pés. O último inimigo a ser destruído é a morte” (1Co 15:25-26)

 

“E, quando este corpo corruptível se revestir de incorruptibilidade, e o que é mortal se revestir de imortalidade, então, se cumprirá a palavra que está escrita: Tragada foi a morte pela vitória. Onde está, ó morte, a tua vitória? Onde está, ó morte, o teu aguilhão? O aguilhão da morte é o pecado, e a força do pecado é a lei.” (1Co 15:54-56)

 

Então, essa vida é uma existência física e temporária. Considerando isso, perguntamos: o que é tão “feliz” em um “aniversário” em um mundo impiedoso e carnal? Por que comemorar a chegada em um mundo de miséria, confusão, pobreza, ignorância, fome, doença e violência?

Veja: “Preciosa é aos olhos do SENHOR, a morte dos seus santos (Sl 116:15)”

 

Deus pode dar a vida eterna. ELE quer que a tenhamos. ELE deseja que vivamos a vida ao máximo e experimentemos o caminho da vida que produz paz, alegria, abundância e segurança reais. Mas a vida tem que ser vivida no Evangelho, de acordo com as regras de Deus.

“Visto que a morte veio por um homem, também por um homem veio a ressurreição dos mortos. Porque, assim como, em Adão, todos morrem, assim também todos serão vivificados em Cristo.” (1Co 15:21-22)

 

“E, assim como trouxemos a imagem do que é terreno, devemos trazer também a imagem do celestial.” (1Co 15:49)

 

Assim, quando comparamos a vida terrena ao futuro maravilhoso que Deus nos reserva na eternidade, o nosso aniversário físico passa a parecer tolice.

 

 

A origem das celebrações de aniversário natalício

O fornecimento da data de nascimento é uma informação fundamental na astrologia. Desde os tempos mais remotos, os feiticeiros e outros seguidores do ocultismo olhavam para o céu noturno e traçavam as estrelas, inventaram calendários e calcularam as datas de nascimento dos reis e dos governantes e seus sucessores. Esses antigos astrólogos pagãos examinavam meticulosamente horóscopos e datas de nascimento dos seus clientes, porque acreditavam que o destino dos ricos e poderosos poderia afetar a sociedade. Até hoje, muitos têm confiado em horóscopos ao invés de confiar em Deus.

 

Na Grécia antiga, os homens ricos juntaram-se  a clubes de aniversários compostos exclusivamente por homens que compartilharam sua data de nascimento.

 

Na Pérsia, os nobres observaram seus aniversários cozinhando carnes de boi ou camelo e servindo centenas de pequenos bolos para os celebrantes.

 

Na antiga Roma, os imperadores faziam grandes festas de aniversário em homenagem a si próprio, e incluíam desfiles, circos e combate de gladiadores. As celebrações dos dias de aniversários foram tão importantes para os romanos, que o seus calendários designaram a maioria dos dias para alguma forma de celebração – incluindo muitos aniversários de homens famosos da época e de seus deuses mitológicos, trazendo grande influência na sociedade atual.

 

Tendo em vista todas essas informações bíblicas e históricas, podemos concluir que faltar ao culto para ir participar de festas de aniversário, é algo para se repensar – seriamente. O compromisso do verdadeiro cristão é com o Cristo, e não com o mundo e suas celebrações.