A rebeldia de Absalão

absalom Alguns irmãos me perguntaram sobre o monumento da foto da postagem anterior. Trata-se do monumento que está no Vale do Rei em Jerusalém que em meio a muitas controvérsias é identificado como túmulo de Absalão, filho de Davi. Ainda hoje, quem segue da antiga Jerusalém para o Monte das Oliveiras, pode avistá-lo facilmente. Na verdade, não há nenhum indício bíblico que aponta ser ali, o local do sepultamento de Absalão. Em 2Sm 18:17-18 apenas diz que Absalão fora sepultado numa cova no bosque (hoje identificado como Bosque de Efraim) e coberto com um montão de pedras; e o monumento que se encontra no Vale do Rei foi erigido apenas para ser um memorial de seu nome.

 

“Ora, Absalão, quando ainda vivia, levantara para si uma coluna, que está no vale do Rei, porque dizia: Filho nenhum tenho para conservar a memória do meu nome; e deu o seu próprio nome à coluna; pelo que até hoje se chama o Monumento de Absalão.” (2Sm 18:18)

 

Durante muitos séculos, os habitantes de Jerusalém forçavam os seus filhos rebeldes a atirarem pedras contra o monumento de Absalão para aprenderem onde a rebelião pode nos levar. Isto porque, segundo as Escrituras, Absalão foi um homem rebelde, que ao usurpar trono do seu próprio pai, fracassou e foi morto pelo capitão do exército do rei Davi.

 

Absalão, filho de Davi

Absalão nasceu em Hebrom, e era filho de Davi com Maaca (2Sm 3:3). Ele é descrito na Bíblia como um homem bastante carismático, inteligente e de extrema beleza, sem nenhum defeito físico (2Sm 14:25-27); porém ambicioso, vingativo, assassino e rebelde ao pai e a Deus. (Leia 2Sm 11-18)

 

Depois de ter assassinado o seu irmão mais velho, Absalão constituiu um exército para si e passou a perseguir o seu próprio pai, pois usurpava o seu trono. Davi teve que deixar o palácio às pressas de uma maneira humilhante (2Sm 15:14). O Salmo 3 descreve a fé de Davi em meio a fuga.

 

Depois da fuga, Davi reorganizou os seus homens, e o seu exército travou uma feroz batalha com o exército de Absalão. Naquele dia, cerca de 20.000 adversários de Davi perderam a vida. Absalão fugiu para o bosque montado no seu mulo, porém foi logo localizado pelos homens de Davi e morto.

 

O que podemos aprender com Davi e Absalão?

Em primeiro lugar, devemos admitir que este acontecimento foi consequência do pecado que Davi cometeu (2Sm 11) e o cumprimento da profecia de Natã (2Sm 12).

 

Talvez, foi um dos piores momentos que Davi enfrentou em sua vida. Como pai, amava a Absalão, mas não podia se tornar prisioneiro ou acabar morto pelo seu próprio filho que usurpava o trono de Israel.

 

Antes de começar a batalha final, Davi deu ordem aos seus capitães para que capturassem Absalão vivo, e o tratassem com brandura, porém não foi isso que aconteceu. Joabe, um dos capitães, desprezou a ordem de Davi e matou Absalão com três dardos no seu coração, quando este estava totalmente indefeso, preso pelos seus cabelos entre os ramos de um carvalho.

 

 Ao receber a notícia da morte de Absalão, Davi se comoveu profundamente e chorando disse:

“[…] Meu filho Absalão, meu filho, meu filho Absalão! Quem me dera que eu morrera por ti, Absalão, meu filho, meu filho!” (2Sm 18:33)

 

Esta é uma tragédia familiar que ainda hoje pode acontecer nas famílias crentes: Pais fervorosos na fé que procuram fazer de tudo para o Senhor e à Sua igreja, porém filho rebelde, violento, pecador, sem temor a Deus nem aos pais. Por um lado, o pai o ama por ser seu filho, por outro lado, é a causa de sua desgraça. Neste caso, fica dividido entre se teria sido melhor se este filho nunca tivesse nascido, ou se deve dar a própria vida por ele. Que situação! Não poucos pais crentes acabam se enfraquecendo na fé mediante esta situação calamitosa, porém não foi o caso de Davi.

 

Apesar de todos estes acontecimentos na vida de Davi e Absalão serem proféticos, devemos admitir que Davi, por sua vez, também fracassou na educação do seu filho.

“E vós, pais, […] criai-os na disciplina e na admoestação do Senhor.” (Ef 6:4)

 

É claro que todo ser humano tem o livre arbítrio, e mesmo recebendo a devida educação e instrução pelos pais, pela igreja de Deus, ou pela instituição secular, cada um seguirá o caminho que julgar melhor para si que poderá levar para o seu sucesso ou para a sua ruína. Em ambos os casos, os pais também levam uma parcela pelo comportamento dos seus filhos. Quando os pais falham na educação dos filhos, certamente contribuirá para a sua perda. Davi era um homem bastante meigo, humilde, bondoso e amoroso, até de mais; e quando se tratava em educar o seu filho Absalão, parece que ele não conseguia agir com severidade: A compaixão falou mais alto do que a justiça de Deus. Davi aplicou a lei de Deus com parcialidade, dando a Absalão uma certa liberdade para pecar. O semelhante deve ter ocorrido com os filhos dos profeta Eli (1Sm 2:12-17) e Samuel (1Sm 8:1-5).

 

Se você ama o seu filho, eduque-o no caminho do SENHOR. Seja honesto para com Deus, e para com você mesmo e seu filho. Discipline-o e não o mime, pois um filho entregue a si mesmo envergonhará os seus progenitores (cf. Pv 29:15). Corrija suas inclinações para o mal, caso contrário, os filhos irão para a perdição e você correrá o risco de ir junto. Assim como diz em Ef 5:11, não podemos ser cúmplices do que o Senhor não aprova.

“Corrige o teu filho e te dará descanso, dará delícias à tua alma.” (Pv 29:17) 

 

No caso de filho crente que se inclina ao pecado, os pais têm obrigação de por a comunhão com Deus acima da relação com os próprios filhos. O amor verdadeiro conduzirá a fazer tudo que o SENHOR exige na tentativa de resgatar o filho rebelde, porque grande é a tristeza de perder um filho para o pecado.

Leia: http://gloria-aleluia.org.br/pais-e-filhos/