A purificação do Templo

Disse o Senhor JESUS:

“Vede estas coisas? Dias virão em que não ficará pedra sobre pedra que não seja derribada.” (Lc 21:6)

 

e, numa outra ocasião, mais uma vez a respeito do Templo:

“Destruí este santuário, e em três dias o reconstruirei.” (Jo 2:19)

 

Mas por que o Senhor disse isto?

Note que o Senhor proferiu estas últimas palavras ao sair do Templo em Jerusalém, logo após ter derrubado e expulsado toda sorte de homens que não estavam no local sagrado para o verdadeiro louvor:

“E encontrou no templo os que vendiam bois, ovelhas e pombas e também os cambistas assentados; tendo feito um azorrague de cordas, expulsou todos do templo, bem como as ovelhas e os bois, derramou pelo chão o dinheiro dos cambistas, virou as mesas” (Jo 2:14-15)

 

O Templo em Jerusalém, mesmo estando sempre lotada de pessoas, havia perdido a sua glória. Ao lermos o Livro de Malaquias, podemos notar nitidamente a indiferença e desprezo dos judeus em relação a tudo que era sagrado. Nos tempos do profeta Jeremias, o SENHOR já advertia os judeus que “brincavam de ir ao Templo”:

“Não confieis em palavras falsas, dizendo: Templo do Senhor, templo do Senhor, templo do Senhor é este.” (Jr 7:4) 

 

“Que é isso? Furtais e matais, cometeis adultério e jurais falsamente, queimais incenso a Baal e andais após outros deuses que não conheceis, e depois vindes, e vos pondes diante de mim nesta casa que se chama pelo meu nome, e dizeis: Estamos salvos; sim, só para continuardes a praticar estas abominações! Será esta casa que se chama pelo meu nome um covil de salteadores aos vossos olhos? Eis que eu, eu mesmo, vi isto, diz o SENHOR.” (Jr 7: 9-11)

 

arco de tito

Detalhe em alto relevo no Arco de Tito: Candelabro do Templo em Jerusalém

arco de tito (1)

Arco de Tito, Fórum Romano

À vista da onisciência do Senhor, o Templo profanado não tinha mais utilidade, porque desde os dias de Malaquias, os judeus haviam feito da maior expressão religiosa de Israel, um lugar totalmente profano. De fato, o Templo foi destruído, os sacerdotes e o povo foram mortos no ano 70 d.C. pelo exército do imperador romano Tito, composto por cerca de 60.000 homens.

 

Ao passar pelo Arco de Tito que está logo na entrada do Fórum Romano, em Roma, é possível observar cenas de invasão de Jerusalém liderado por Tito. Destaca-se o candelabro judaico sendo saqueado pelos romanos.

 

A necessidade de purificar a igreja

“[…] A minha casa será chamada casa de oração. Mas vós a transformastes em covil de salteadores.” (Lc 19:46)

 

“A minha casa”, ou seja, a Casa de Deus é casa de oração, casa espiritual. O problema não estava somente nos bois, ovelhas, pombas e cambistas, mas no espírito dos homens que ali estavam. Nas palavras de Jo 2:19: “Destruí este santuário”, podemos ver pelo menos três significados:

  1. Como está nos versículos posteriores, JESUS referia ao Santuário do Seu próprio corpo;
  2. O Templo em Jerusalém contaminado, não tinha mais nenhuma utilidade para Deus;
  3. JESUS veio cumprir e encerrar a Antiga Aliança e dar lugar a Nova Aliança, onde o templo é a Sua igreja (1Pe 2:5); e a igreja que é o corpo de Cristo, somos nós (Ef 5:23, 30).

“Acaso, não sabeis que o vosso corpo é santuário do Espírito Santo, que está em vós, o qual tendes da parte de Deus, e que não sois de vós mesmos?” (1Co 6:19)

 

Maquete do Terceiro Templo – Museu de Jerusalém

É dever do pastor disciplinar a igreja e combater heresias juntamente com os membros da igreja. Se não estivermos firmemente alicerçados em Cristo e em Suas Palavras, doutrinas e costumes estranhos começarão a penetrar na igreja de Deus, e assim como na época dos profetas, e da igreja em Laodiceia (Ap 3:14-22), coisas imundas passarão a ser normais; e a igreja terá as suas portas fechadas pelo SENHOR.

Leia Jeremias 7.

 “Então, vereis outra vez a diferença entre o justo e o perverso, entre o que serve a Deus e o que não o serve.” (Ml 3:18)