A fé não pode ser meramente emocional

“E o SENHOR Deus lhe deu esta ordem: De toda árvore do jardim comerás livremente, mas da árvore do conhecimento do bem e do mal não comerás; porque, no dia em que dela comeres, certamente morrerás.” (Gn 2:16-17)

 

Imagine um animal doméstico criado com todo amor que, de repente, buscando a sua independência e liberdade, sai às ruas e não encontra mais o caminho para casa. Assim parece ser a situação da humanidade, longe do seu Senhor. O homem não foi criado para suportar o mal, mas ao buscar a independência de Deus – por querer ser como Deus (Gn 3:5), além do bem que sempre o cercou, passou a conhecer também o mal. Conhecer, neste caso, significa: experimentar, pertencer, apresentar, saber por sentir, inserir na memória… Que trágico é isto!

“[…] Maldita é a terra por tua causa; em fadigas obterás dela o sustento durante os dias de tua vida. Ela produzirá cardos e abrolhos, e tu comerás a erva do campo. No suor do rosto comerás o teu pão, até que tornes à terra, pois dela foste formado; porque tu és pó e ao pó tornarás.” (Gn 3:17-19)

 

emoções 1

clique para ampliar

Talvez, estas palavras sejam também alusão à desgraça emocional e suas consequências que o homem colhe fora dos domínios do SENHOR. Adão e Eva não morreram instantaneamente ao cometerem pecado, mas com a entrada dos desígnios pecaminosos no coração, muitas coisas começaram a contribuir para a morte – primeiramente, emocional e depois física. É este o salário do pecado. Com a apresentação e aceitação do pecado no coração, o homem passou a experimentar emoções negativas que nunca tinha sentido antes.

 

Observe o modelo de roda de emoções ao lado: As seis emoções que estão representadas no centro da roda são chamadas emoções primárias. Estas emoções estão presentes em pessoas de todas as épocas e lugares, independente de fatores como cultura e educação. Cada emoção primária pode dar origem a várias emoções secundárias formando uma família de emoções. Estas, já podem ser aprendidas ou treinadas durante o crescimento emocional de um indivíduo, e ainda podem depender da cultura ou educação de onde o indivíduo é criado. Da combinação das emoções secundárias imediatamente vizinhas originam-se as emoções terciárias, aumentando a família.

 

Podemos observar que poucas são as emoções positivas (cf. Gl 5:22), se comparadas com as  negativas (cf. Gl 5:19-21). O homem não foi feito para suportar tantas emoções. No Éden, estando sob a maravilhosa graça do SENHOR, Adão e Eva conheciam somente a família das emoções do bem; mas com a aceitação do pecado, “cardos e espinhos” começaram a nascer no coração do homem. Somos informados através da parábola do semeador em Mt 13 que a terra onde nascem essas ervas daninhas é o coração do homem. Cardos e abrolhos são maldições, ou seja, fruto da desobediência. O homem foi condenado a lutar contra essa praga que nunca para de brotar, até que volte ao pó da terra.

Leia: O filho pródigo

 

Personalidade

Entende-se por personalidade, a capacidade de uma pessoa administrar as suas próprias emoções e suas reações equalizando-as. É o ajuste de emoções – daí, dizer-se desajustado a alguém que age fora da normalidade. Embora haja uma certa diferença de significado, é comum se usar também os termos caráter e temperamento ao se referir à personalidade.

 

Etimologia:

  • Personalidade – Do latim personalitas: relativo a uma pessoa. Refere-se a capacidade de ajustamento de uma pessoa ao meio social.
  • Caráter – Do grego kharakter: marca gravada na alma;
  • Temperamento – Do latim temperare: por os condimentos na medida conveniente.

Emoção

O coração humano é um sensível equalizador. Numa mesa de som o equalizador não pode trabalhar sozinho, mas precisa de um bom amplificador. Assim também é o coração e o corpo físico do homem. Emoções são os sons, cores, sabores, odores e situações interpretados pelo coração. Emoção é reação complexa a estímulos do sentimento e podem se traduzir fisicamente em reações fisiológicas, comportamentais, cognitivas, afetivas, sentimentais e em expressões corporais, principalmente faciais. A emoção têm grande influência positiva ou negativa sobre a mente de uma pessoa, e as suas ações são os seus frutos. É necessário, portanto, sermos bons técnicos operadores desta mesa de som para ajustarmos não só os graves e agudos, mas também as luzes do palco das nossas vidas, lembrando-nos sempre do que o nosso Mestre JESUS nos ensinou:

“São os teus olhos a luz do teu corpo; se teus olhos forem humildes, todo o teu corpo será cheio de luz. Porém se teus olhos forem malignos, todo o teu corpo estará tomado pelas trevas.” (Lc 11:34)

 

Tomemos, pois sempre, o cuidado de nos ajustarmos ao evangelho do nosso Senhor JESUS Cristo:

“Como filhos da obediência, não vos amoldeis às paixões que tínheis anteriormente na vossa ignorância; pelo contrário, segundo é santo aquele que vos chamou, tornai-vos santos também vós mesmos em todo o vosso procedimento” (1Pe 1:14-15);

 

“E não vos amoldeis ao sistema deste mundo, mas sede transformados pela renovação das vossas mentes, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.” (Rm 12:2 – JFA RC)

 

Roda_Das_Emocoes

Clique para ampliar

Observe mais um modelo de roda de emoções ao lado: Quando alguma emoção se descontrola e passa dos limites aceitáveis, pode “explodir” em forma de cólera e violência, ou ocorrer uma reação totalmente inversa, como de choro e depressão. Pode também ocorrer mistura de emoções opostas, resultado de um possível transtorno mental. Exemplo: amor + ódio = crime passional. Dizem que o sorriso é contagiante, mas não devemos nos esquecer de que outras emoções também são igualmente contagiantes. Por isso, a Bíblia diz:

“Não te associes com o iracundo, nem andes com o homem colérico, para que não aprendas as suas veredas e, assim, enlaces a tua alma.” (Pv 22:25)

 

Um bebê sorri, chora, grita, se irrita… tudo isto é natural porque ao pequenino que não sabe ainda falar, não resta opção, se não procurar se comunicar através de expressões emocionais.  A medida que a criança vai amadurecendo, aprenderá dominar suas emoções, sem todavia, perdê-las. Quando uma pessoa sofre algum tipo de trauma neste período de formação emocional, poderá se estacionar emocionalmente. São casos de adultos que se comportam como bebês, crianças e adolescentes. Não digo a respeito de adultos empinarem pipas, rodar pião etc, mas de atitudes inconvenientes de quem não conhece linguagem verbal evoluída.

    • “O insensato expande toda a sua ira, mas o sábio afinal lha reprime.” (Pv 29:11)
    • “Todo prudente procede com conhecimento, mas o insensato espraia a sua loucura.” (Pv 13:16)
    • “A ira do insensato num instante se conhece, mas o prudente oculta a afronta.” (Pv 12:16)

O descontrole emocional pode ser sinal de coração imaturo incapaz de prever consequências – uma pessoa que não conhece as suas limitações, nem domínio próprio, simplesmente se revela, principalmente em momentos difíceis. Observe as Palavras da Bíblia:

“Recordar-te-ás de todo o caminho pelo qual o SENHOR, teu Deus, te guiou no deserto estes quarenta anos, para te humilhar, para te provar, para saber o que estava no teu coração, se guardarias ou não os seus mandamentos.” (Dt 8:2)

 

Domínio próprio

“[…] O seu desejo* será contra ti, mas a ti cumpre dominá-lo.” (Gn 4:7 *desejo = emoção)

 

Uma pessoa normal sente emoções, mas não se deixa dominar por elas porque consegue ter visão realista dos fatos, e maior facilidade para administrar situações de conflito.

 

Você já percebeu que, às vezes, o seu coração “manda” o seu corpo tomar certas atitudes sem o seu consentimento? O SENHOR como Criador nos deu emoções, e a esta maravilhosa dádiva, veio a se misturar a emoção negativa proveniente do pecado e agora tudo isto faz parte da natureza terrena do homem (cf. Cl 3:5-11). Já, o descontrole emocional, como você viu acima, pode ser revelação de imaturidade mental e/ou transtorno. É incapacidade de tolerar os aborrecimentos e as frustrações ocasionadas pela impossibilidade de satisfazer a todos os seus interesses. O descontrole emocional poderá levar uma pessoa a perder além de seus amigos, a sua própria salvação. Cuidado!

“Melhor é o longânimo do que o herói da guerra, e o que domina o seu espírito, do que o que toma uma cidade.” (Pv 16:32)

 

Em várias passagens da Bíblia é citada a importância de se ter domínio próprio, ou seja, das emoções (cf. Gl 5:23; Tt 1:8; 2Pe 1:6). Pedro falou da necessidade de um crente acrescentar à sua fé, entre outros, o domínio próprio, para assim poder ingressar no reino eterno. Agora você pode perceber o quão importante é saber dominar as emoções para não ser dominado por elas.

“Pois desta maneira é que vos será amplamente suprida a entrada no reino eterno de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.” (2Pe 1:11)

 

Veja um exemplo de possível consequência desastrosa de ocorrência da emoção negativa: Um jovem, irritado por ter perdido no video game acabou destruindo o seu quarto. Esta cena pode ser entendida pela progressão descontrolada da emoção negativa como segue abaixo:

ociosidade => ansiedade => frustração => irritação => agressão => violência = destruição

 

Syria ruins

“Como cidade derribada, que não tem muros, assim é o homem que não tem domínio próprio.” (Pv 25:28)

A emoção negativa cega e ensurdece. Por isso, o jovem certamente não ouviu a sua mãe chamando-lhe atenção quando este começou a se alterar diante do monitor; nem percebeu o seu pai chegar para castigá-lo pelo ato de vandalismo. O jovem, por sua vez, poderá se justificar dizendo que estava concentrado, por isso, não havia escutado, nem visto nada, o que é psicologicamente explicável, porém não o livrará do castigo do seu pai.

“Cada um saiba controlar o seu próprio corpo de maneira santa e honrosa, não dominado pela paixão de desejos desenfreados, como os pagãos que desconhecem a Deus.” (1Ts 4:4-5 – NTLH)

 

Além de consequências desastrosas como acidentes e incidentes, as emoções mal administradas podem trazer enfermidades mentais e/ou enfermidades físicas. É do conhecimento popular a possível relação do estresse e do nervosismo com as enfermidades físicas como gastrite, síndrome do intestino irritável, problemas de pressão arterial e de pele.

 

Somente nas últimas décadas, a ciência da psiconeuroimunologia tem conseguido demonstrar a ligação entre as emoções e o sistema imunológico. Isto confirma cada vez mais forte a palavra de Deus em todos os sentidos:

“Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o coração, porque dele procedem as fontes da vida.” (Pv 4:23)

 

É sabido que o sistema endócrino é constituído por diversas glândulas capazes de sintetizar hormônios. Entre as glândulas desse sistema, podemos citar a suprarrenal que é responsável pela produção de adrenalina e noradrenalina. Ambos hormônios são liberados em grandes quantidades no organismo depois de fortes reações emocionais como susto, medo ou estresse, provocando aumento dos batimentos cardíacos e pressão arterial, constrição dos vasos, sudorese, dilatação das pupilas etc. Algumas doenças são causadas pelo excesso desses hormônios no corpo, como a Síndrome de Cushing e o feocromocitoma.

 

A cura vem do Senhor JESUS

“Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei.” (Mt 11:28)

 

O homem é incapaz de se livrar de todos estes sentimentos e reações. Para o SENHOR, o coração do homem é de suma importância, pois como já vimos, é no coração que está o pensamento, a personalidade, as emoções, o caráter, o temperamento… enfim o verdadeiro homem está no seu próprio coração.

 

Adão e Eva, ao comerem o fruto do conhecimento do bem e do mal perceberam que estavam nus e logo se cobriram. O homem que conhecia apenas o bem, ao desobedecer a Palavra do SENHOR, passou a conhecer também o mal, ou seja, acrescentou-se no universo humano, o mal.

 

Quando o homem vivia no universo onde havia somente o bem, era incapaz de sentir emoções negativas como vergonha, arrependimento, dores, raiva… mas ao conhecer o universo maligno pôde pela primeira vez, sentir vergonha. Ora, vergonha é emoção resultante da comparação entre o bem e o mal, e o certo e o errado.

“[…] O tempo está cumprido, e o reino de Deus está próximo; arrependei-vos e crede no evangelho.” (Mc 1:15)

 

Evangelizar é anunciar a verdade – O Senhor JESUS Cristo declarou: “Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.” (Jo 8:32). O conhecimento da verdade envergonha o coração do pecador, daí, se este quiser se arrepender, será salvo. Certamente, a busca pelo Salvador (fé e esperança), a bênção (amor e obediência), a misericórdia (vergonha e arrependimento) aliadas à graça redentora do nosso Senhor JESUS Cristo é grande chance para a salvação.

“Mas agora na consumação dos séculos uma vez se manifestou, para aniquilar o pecado pelo sacrifício de si mesmo. E, como aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo depois disso o juízo, assim também Cristo, oferecendo-se uma vez para tirar os pecados de muitos, aparecerá segunda vez, sem pecado, aos que o esperam para salvação.” (Hb 9:26-27)

 

“Finalmente, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é respeitável, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se alguma virtude há e se algum louvor existe, seja isso o que ocupe o vosso pensamento.” (Fp 4:8)

 

“Quem subirá ao monte do SENHOR? Quem há de permanecer no seu santo lugar? O que é limpo de mãos e puro de coração, que não entrega a sua alma à falsidade, nem jura dolosamente.” (Sl 24:3-4)

 

“Mas o fruto do Espírito é: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio.” (Gl 5:22) 

 

Assim, você poderá entender que a nossa fé não pode ser meramente emocional. Em Romanos 12:1-2 fala-se da necessidade de mudança de comportamento e prática de culto racional para servirmos verdadeiramente a Deus.